Os bastidores das notícias, e os principais personagens, que movimentam a política do Distrito Federal

Chefe da Casa Civil diz que GDF tem apoio de 64% da população para medidas restritivas

Chefe da Casa Civil, Gustavo Rocha usou dados da pesquisa para afirmar que o GDF tem respaldo da maioria da população ao combate à Covid-19

atualizado 17/03/2021 17:30

Gustavo RochaMARCELLO CASAL JR./AGÊNCIA BRASIL

O secretário chefe da Casa Civil, Gustavo Rocha, afirmou nesta quarta-feira (17/3) que 64% da população do Distrito Federal aprova as recentes medidas restritivas adotadas pelo Executivo local. A declaração ocorreu durante coletiva à imprensa no Palácio do Buriti.

“A população está tendo consciência para o momento”, declarou o titular da pasta. Os números são acompanhados diariamente pelo governador Ibaneis Rocha (MDB) para respaldar medidas consideradas impopulares.

De acordo com a pesquisa do Instituo Exata OP, a mesma citada por Gustavo Rocha, mais da metade dos entrevistados (50,1%) acredita que o governador está parcialmente certo nas medidas e outros 13,9% avaliam que está “totalmente certo”.

O levantamento questionou aos entrevistados se Ibaneis estava “totalmente errado” ou “pouco errado” ao adotar o lockdown e o toque de recolher. A resposta foi a seguinte: 19,2% dos brasilienses acham que o governador está “pouco errado” por ter tomado as iniciativas e outros 16,2% disseram que ele está “totalmente errado” ao promover medidas mais restritivas.

Outro número que chama a atenção é que, para 42,6% da população local que aprova as ações recentes, o governo deveria endurecer ainda mais as providências de distanciamento social. Para 20,5% desses brasilienses, as medidas devem permanecer como estão e para outros 35,8% elas devem diminuir.

Sobre a atuação do governo, 39% avaliam como sendo positiva (em novembro, eram 34%) e 40% acham que é regular (44% em novembro). A reprovação do GDF praticamente foi mantida no índice de 21%, variando apenas um ponto para baixo. Foram ouvidas 980 pessoas entre os dias 13 e 14 de março.

Últimas notícias