Por Ilca Maria Estevão, Rebeca Ligabue, Hebert Madeira e Sabrina Pessoa

#VogueChallenge: desafio cobra presença de profissionais pretos na revista

Recentemente, Anna Wintour assumiu que a Vogue poderia ter sido mais inclusiva em oportunidades do passado

atualizado 15/06/2020 10:25

Modelo posando em montagem do desafio #VogueChallenge@aleefart/Instagram/Reprodução

debate antirracismo se tornou um assunto recorrente nas redes sociais nas últimas semanas. Desde o início da pandemia, os “desafios” do Instagram também. Agora, unindo as duas correntes, fashionistas e fotógrafos de vários cantos do mundo lançaram a tag #VogueChallenge, que busca retratar a falta de inclusão de pessoas pretas na capa das publicações da revista ao longo da história.

Vem comigo saber mais!

O desafio propõe que os internautas criem suas próprias versões de capas da famosa revista de moda, com objetivo de dar visibilidade a modelos e fotógrafos pretos. A ideia foi uma iniciativa da estudante Salma Noor, quando publicou no Twitter uma foto editada por ela mesma, como se fosse a capa da Vogue, em 2 de junho.

tag ganhou proporção mundial em poucos dias e bombou em redes sociais Instagram, TikTok e Twitter, principalmente depois que o site PageSix divulgou trechos de um memorando interno da revista. No documento, Anna Wintour, editora-chefe da Vogue americana há quase 30 anos, admite ter sido “ofensiva e intolerante” por não ter dado mais espaço para criadores pretos na revista.

“Quero dizer claramente que sei que a Vogue não encontrou maneiras suficientes de elevar e dar espaço aos editores, escritores, fotógrafos, designers e outros criadores pretos. Também cometemos erros ao publicar imagens ou histórias que foram prejudiciais ou intolerantes. Eu assumo total responsabilidade por esses erros”, declarou a jornalista.

Salma Noor chegou até a fazer um segundo post, com outra capa, dizendo: “Eu criei o desafio há uma semana e não levei o crédito, então aqui está uma nova”. A repercussão foi tão grande que o challenge ganhou apoio da própria revista. As versões do Brasil e Reino Unido chegaram a selecionar suas capas favoritas do desafio.

As capas criadas pelos internautas vão desde cliques simples com o logotipo da revista até produções superprofissionais. Colocar a logo não é um problema: o detalhe pode ser inserido por meio de stickers de aplicativos como PicsArt ou PHO.TO. O Photoshop é uma opção para quem quer um acabamento ainda mais perfeccionista.

View this post on Instagram

MANIFESTATION: an event, action, or object that clearly shows or embodies something, especially a theory or an abstract idea. • It literally is my dream to be published by Vogue, Nylon, Essence, Teen Vogue, and W Magazine. It’s going to happen. I pray for it everyday and work hard for it everyday. It’s all in Gods timing. I’m in competition with myself. ❤️ • I tagged all of the amazing photographers I have worked with! ALL BLACK AND BEAUTIFUL PHOTOGRAPHERS ❤️ • PHOTOGRAPHERS ? @o.dunsin @domoshotme @getboxed_ @heytobs @thomaskirk_ @ornelle.c @quis.mar • Here’s my #voguechallenge rendition.. ✨ @voguemagazine @voguebeauty @voguerunway @vogueitalia @voguespain @voguebrasil

A post shared by Yetundé | Professional MUA (@beatbyye) on

View this post on Instagram

I made this lil top ?#voguechallenge

A post shared by ME V ? (@marieevdrns) on

 

View this post on Instagram

#VogueChallenge ✔️ Now back to my real work…

A post shared by Madame Langa (@madame.langa) on

View this post on Instagram

Sorry for the wait. #VogueChallenge

A post shared by Kwame Koda (@kwamekodah) on

 

Pelo Instagram, os posts do desafio esbanjam poses e produções artísticas, com composições de tirar o fôlego. Muitas imagens, inclusive, mostram mulheres de hijabs ou turbantes; outro detalhe que demanda representatividade. Nos vídeos curtos do TikTok, rede social queridinha da geração Z, a proposta é mais descontraída. Alguns usuários fazem vídeos de si mesmos como se estivessem em “um dia normal”. De repente, surgem fotos e vídeos com aspecto mais glamouroso, decorados com o icônico logotipo da revista.

Assim como os demais challenges do Instagram, alguns internautas encaram o #VogueChallenge como um passatempo. Enquanto isso, outros preferem que seja um debate mais sério. No Twitter, um post que chama atenção para a verdadeira mensagem do desafio teve milhares de interações. “Ei, pessoal, por favor, não tratem o #VogueChallenge#VogueChallenge como um desafio de arte. Ele foi criado porque a moda não contrata modelos e fotógrafos pretos suficientes. Esta hashtag deve elevar essas vozes”, escreveu Charlot Kristensen (@Zolwia).

“É importante que entendamos a origem das hashtags para não associá-las acidentalmente em outro espaço. No momento, muitas das obras postadas estão tristemente glorificando a Vogue, quando devemos criticá-las agora”, continua.

A Vogue, principal revista de moda feminina do mundo, foi lançada nos Estados Unidos em 1892. Mais de 80 anos foram necessários para uma mulher preta estampar a capa da publicação, o que ocorreu só em 1974. A edição histórica foi estrelada pela modelo Beverly Johnson.

View this post on Instagram

#VogueChallenge ? “No Limit” ??

A post shared by Miss Nigeria ?? USA ?? 2020 (@funke.lagoke) on

View this post on Instagram

If only you can see this cuz…? #voguechallenge

A post shared by Black9ine18 (@black9ine18) on

View this post on Instagram

I couldn't resist the challenge. #voguechallenge

A post shared by Black9ine18 (@black9ine18) on

@monroecaprihow’d i do????‍♀️ ##voguechallenge♬ fantasy by bazzi – liltimmytchalamet

@wisdm8OKAY HERE Y’ALL GO ##voguechallenge♬ Gimme clout pls – i.i.i.i.i.il

@shadaenotadu##greenscreen ##greenscreenvideo ##vogue ##voguechallenge ##fyp ##keepingitcute♬ original sound – shadaenotadu

@eldikamayShe said rangeeeeee ? ##fyp ##foryoupage ##PositiveEnergyChallenge ##vogue ##voguechallenge ##model♬ FOLLOW ZachOverweg – zachoverweg

 

Novo normal

O desafio é recente, mas a demanda por representatividade não é de agora. Há algumas semanas, a Vogue Brasil foi criticada nas redes sociais por causa das capas do mês de maio, com a modelo Gisele Bündchen e a chamada “novo normal”. Para muitos, a ideia foi insensível com o contexto trágico da pandemia, além de apostar em um padrão de beleza que não é nada novo.

Na edição seguinte, de junho de 2020, a revista adotou uma proposta diferente. O conteúdo foi dedicado a vários nomes da cadeia de moda do Brasil, com referência à capa do disco Paratodos, de Chico Buarque.

Vogue Maio
Gisele Bündchen estampa duas capas da edição de maio, muito criticadas nas redes sociais

 

Vogue junho
Capa da edição de junho, inspirada no disco de Chico Buarque. A revista também fez capas digitais alternativas

 

As versões estrangeiras da publicação também deram novo olhar sobre o mundo em suas capas, como a Vogue Itália. Em abril, a publicação fez uma capa completamente em branco. Já na edição de junho, convidou crianças para desenhar peças da coleção Métiers D’Art 2019/20 da Chanel. A Vogue Portugal de abril foi estampada por um casal “se beijando” com máscaras.

Colaborou Hebert Madeira

Últimas notícias