Por Ilca Maria Estevão, Rebeca Ligabue, Hebert Madeira e Sabrina Pessoa

Modelo Débora Fernandes fala sobre a ascensão da moda plus size

A paulista, que também é blogueira e estilista, luta pela representatividade para mulheres gordas na indústria fashion

atualizado 16/12/2019 16:04

Elaine Kuntz/Divulgação

A moda plus size está crescendo cada vez mais. A evolução é resultado de um movimento intenso, conhecido como body positive, que pede por mais diversidade na indústria. No Brasil, um dos nomes em destaque é o de Débora Fernandes. A modelo trabalha há cerca de 10 anos no segmento e reconhece os avanços conquistados.

Vem comigo conhecê-la!

Débora Fernandes sempre foi apaixonada por moda. Formada pelo Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU) e pós-graduada em administração pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), ela se especializou em produção de moda, consultoria, desenvolvimento de produto e branding.

Quando conheceu o plus size, ela se encontrou. No início da juventude, depois de muito tempo tentando alcançar um padrão irreal de beleza, a paulista descobriu que podia amar as próprias curvas.

“Em um dos desfiles que estava produzindo, uma modelo faltou e eu era a única menina gorda da produção. Me arrumaram toda e subi na passarela, sem nenhuma pretensão. Isso aconteceu em 2007, não se falava de moda plus size, ainda era chamado de ‘tamanhos grandes'”, lembrou Débora, em entrevista à coluna.

Aos 17 anos, começou a trabalhar como produtora e, depois, realizou o sonho de ser estilista. Em 2009, ela passou a pesquisar mais sobre o mercado e resolveu lançar um blog voltado para esse público.

No site, publica dicas de estilo, beleza e lifestyle. Nas redes sociais, também compartilha dicas de visuais e faz parcerias com marcas. Hoje, aos 32 anos, além de modelo, é influenciadora digital.

Elaine Kuntz/Divulgação
Débora Fernandes está há cerca de 10 anos no segmento plus size

 

Elaine Kuntz/Divulgação
Nascida em São José dos Campos (São Paulo), ela é modelo, blogueira e estilista

 

Débora Fernandes acredita que as influencers têm ajudado as marcas a abraçarem a diversidade de corpos. “Estamos ganhando voz não só na moda, mas em diferentes segmentos e movimentos. A mulher quer se sentir representada, seja no catálogo de revista, seja na propaganda de academia”, opinou.

“As influenciadoras estão trazendo o público para essa nova realidade de consumo. Antes éramos esquecidos pela mídia e, agora, por meio da internet, conquistamos nosso espaço”, acrescentou a profissional.

Ao longo dos anos, conquistou marcas atacadistas plus size e se considera uma ponte importante entre o fabricante, o lojista e o consumidor final. Neste ano, entre os trabalhos marcantes, estão campanhas em Nova York e uma coleção própria com a magazine Besni, além de um ensaio ao lado de Fluvia Lacerda para a marca Predilect’s Plus.

Reprodução/Instagram/@deborafernandesplus
Débora Fernandes mostra para outras mulheres que autoaceitação é importante

 

Divulgação/Predilect's Plus
Com Fluvia Lacerda, para a marca Predilect’s Plus

 

Para Débora, houve avanços significativos nos últimos anos em relação à quebra de estereótipos e conquistas por mais representatividade. No entanto, ainda há um longo caminho a percorrer.

“Em 10 anos trabalhando nesse mercado, vejo uma evolução gigantesca. Temos informação de moda, qualidade, modelagem boa e autenticidade. No início da carreira de modelo plus size, eu tinha vergonha de postar, eram roupas feias. Agora, uso tudo que fotografo, converso muito com os estilistas e dou minha opinião”, reconheceu.

“Sinto que a moda ainda é muito gordofóbica, estamos ganhando espaço só agora. Já vi muitos stylists, cabeleireiros e fotógrafos que não gostam de trabalhar com modelos gordas”, lamentou Débora Fernandes.

Elaine Kuntz/Divulgação
A paulista espera que o destaque da moda plus size só aumente

 

Elaine Kuntz/Divulgação
Débora Fernandes quer encorajar outras mulheres a terem orgulho das próprias curvas

 

Na luta contra a gordofobia, a modelo e influenciadora acredita que é preciso romper barreiras e empecilhos para as mulheres, principalmente as que fazem parte de grupos que são alvo de preconceito.

“A palavra ‘gorda’ sempre foi usada como xingamento ou algo inferior. Precisamos ressignificá-la apenas como um adjetivo que descreve o corpo de uma pessoa, ele não define beleza, valores, disposição. Temos que parar de ter medo dessa palavra.”

Débora Fernandes
Elaine Kuntz/Divulgação
Débora Fernandes reconhece que ainda há barreiras a serem quebradas na moda

 

Reprodução/Instagram/@deborafernandesplus
Para a modelo, a sociedade precisa aceitar que ser gorda é apenas uma característica física, assim como ser magra

 

Nos próprios looks, Débora preza pelo conforto, sem perder o toque descolado. Com as composições, a ideia é mostrar que todos os tipos de corpos merecem espaço no mundo fashion.

“Sou bem versátil, gosto do jeans e tênis, brilho, sempre com informação de moda pra inspirar minha seguidora a sair da zona de conforto”, comentou. “Por muito tempo, elas não usaram alguns tipos de peças por não terem referências visuais de como usar. Gosto de usar composições que as ajudem a ousar mais”, completou a influenciadora.

Reprodução/Instagram/@deborafernandesplus
No blog e nas redes sociais, Débora Fernandes divide dicas de estilo

 

Reprodução/Instagram/@deborafernandesplus
Ela mostra que a moda deve ser para todas

 

Como referências na moda, Débora Fernandes aprecia o estilista Alexandre Herchcovitch e a jornalista Erika Palomino. Também inspira-se em Fluvia Lacerda como exemplo de expressão corporal e alguém que abriu caminhos. Quando o assunto é empreendedorismo, ela se espelha em Flávia Durante, fundadora da feira PopPlus.

 

Colaborou Rebeca Ligabue

Últimas notícias