com Rebeca Ligabue, Hebert Madeira e Sabrina Pessoa

Cavalera entra com pedido de proteção contra falência em São Paulo

A ação vem após um longo e público período de crise econômica desde 2017, agravado pela pandemia

atualizado 12/05/2021 9:24

Modelo com roupa da CavaleraAlexandre Schneider/Getty Images

A Cavalera, marca de moda paulista reconhecida pelo streetwear cheio de bossa, entrou com um pedido de recuperação judicial recentemente. Por meio de sua controladora, a K2 Comércio de Confecções, a solicitação foi encaminhada à 2ª Vara de Falência e Recuperações Judiciais de São Paulo. A varejista acumula R$ 60 milhões em dívidas tributárias.

Vem saber mais!

Giphy/Cavalera/Divulgação

No pedido apresentado, a empresa aponta conflitos entre as sócias Valeria Hiar e Joana Hiar, que comandaram as operações da etiqueta na última década. O relatório também aponta que a pandemia de Covid-19 agravou a crise financeira da label, fundada em 1995.

O valor da ação está avaliado em cerca de R$ 30 milhões, devido a empréstimos financeiros. O pedido de recuperação judicial, em proteção contra falência, vem após um longo período de crise intensificada em 2017, quando houve uma retração de 3,7%.

Modelo desfilando
A Cavalera entrou com pedido de recuperação judicial no dia 4 de maio

 

Modelo desfilando
A varejista vem enfrentando uma crise econômica intensa há anos

 

Modelo desfilando
O momento foi agravado pela pandemia

 

Modelo desfilando
A ação foi entregue à 2ª Vara de Falência e Recuperações Judiciais de São Paulo

 

O setor de vestuário foi fortemente atingido pela recessão econômica que se instalou no país. A instabilidade do mercado, a greve dos caminhoneiros e a realização da Copa do Mundo foram fatos apontados pela Cavalera como as principais dificuldades, em anos anteriores. Em 2018, a varejista fechou as portas de algumas lojas e deu início a um processo de reestruturação.

Mesmo reduzindo o prejuízo de R$ 36 milhões, em 2018, para R$ 243 mil no ano passado, a quantia não foi suficiente para cobrir todo o passivo da empresa, que teve diminuição de 50% de seu faturamento no início da pandemia e da crise sanitária, em 2020.

Modelo desfilando
A etiqueta é reconhecida pela moda streetwear e desfiles que fizeram barulho na cena fashion. O valor da ação está avaliado em cerca de 30 milhões de reais

 

Modelo desfilando
A varejista acumula R$ 60 milhões em dívidas tributárias

 

Modelo desfilando
Alberto Hiar (no centro da foto) é um dos sócios da controladora K2 Comércio de Confecções, e diretor criativo da grife

A empresa já anunciou que pretende fechar outras lojas espalhadas pelo país e encerrar as operações de estabelecimentos que não estavam no plano estratégico inicial. A loja busca, com o pedido de recuperação judicial, uma possibilidade de reerguer-se mediante a implementação de um plano de recuperação.

Segundo o site Exame, o caso será analisado pelo juiz Marcelo Barbosa Sacramone. Em um primeiro despacho, a sociedade recebeu o prazo de 10 dias para apresentar documentos sob pena de indeferir o pedido. Além disso, pontuou que as dívidas tributárias não estão sujeitas à recuperação judicial.

Cavalera

Criada em 1995 por Alberto Hiar com Igor Cavalera, ex-baterista da banda Sepultura, a marca é resultado da fusão entre música, moda, arte e rua, pilares que destacam os desfiles nada convencionais da grife. Atualmente, a etiqueta é controlada pela K2 Comércio, também detentora da Zoomp, adquirida em um leilão em 2017, e que teve grande repercussão. A companhia sinaliza, em seu site, que possui 11 lojas espalhadas pelo país.


Colaborou Sabrina Pessoa

Últimas notícias