Notícias, furos e bastidores de política e economia. Com Gustavo Zucchi

Polícia Federal prende ex-ministro da Educação Milton Ribeiro

Operação deflagrada pela Polícia Federal tem como objetivo investigar balcão de negócios no Ministério da Educação

atualizado 22/06/2022 12:10

Secretário da Educação Milton Ribeiro - Goiânia (GO) 15/09/2021 Em clima de campanha eleitoral, Presidente do Senado Rodrigo Pacheco, Governador de Goiás Ronaldo Caiado e Ministro da Educação Milton Ribeiro participam de encontro de prefeitos em apoio à candidatura do senador Luiz do Carmo ao senado em 2022Vinicius Schmidt/Metrópoles

A Polícia Federal prendeu preventivamente o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, na manhã desta quarta-feira (22/6), durante a Operação Acesso Pago, que investiga esquema de corrupção envolvendo pastores evangélicos durante a gestão dele à frente do MEC.

Segundo apurou a coluna com fontes da PF e do Palácio do Planalto, Ribeiro foi preso no início da manhã em sua casa na cidade de Santos, no litoral paulista. A expectativa é que ele seja transferido para Brasília ainda nesta quarta.

A Polícia Federal realiza buscas na sede do Ministério da Educação, em Brasília.

A prisão foi determinada pelo juiz federal Renato Borelli. No mandado de prisão, ao qual a coluna teve acesso, o magistrado elenca ao menos quatro crimes que teriam sido cometidos por Ribeiro: corrupção passiva, prevaricação, advocacia administrativa e tráfico de influência.

Veja o documento:

Mandado de prisão preventiva contra o ex-ministro Milton Ribeiro
Mandado de prisão preventiva contra o ex-ministro Milton Ribeiro

Busca e apreensão

A PF também cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços dos pastores Arilton Moura e Gilmar Santos. Eles são ligados ao presidente Jair Bolsonaro (PL) e apontados como lobistas que atuavam no MEC, quando a pasta era comandada por Ribeiro.

Os pastores negociavam com prefeitos a liberação de recursos federais – mesmo sem ter cargo no governo.

Segundo a PF, “com base em documentos, depoimentos e Relatório Final da Investigação Preliminar Sumária da Controladoria-Geral da União (CGU), reunidos em inquérito policial, foram identificados possíveis indícios de prática criminosa para a liberação das verbas públicas”.

Ao todo, estão sendo cumpridos 13 mandados de busca e apreensão e 5 prisões nos estados de Goiás, São Paulo, Pará, além do Distrito Federal. Outras medidas cautelares diversas, como proibição de contatos entre os investigados e envolvidos, também foram efetuadas.

0

Mais lidas
Últimas notícias