Notícias, furos e bastidores de política e economia. Com Gustavo Zucchi

Pfizer também recebe por meio de offshore, mas há diferença da Covaxin

Desde quando assinou o contrato com a Pfizer, o Ministério da Saúde já fez nove transferências para a offshore, totalizando R$ 2,8 bilhões

atualizado 28/06/2021 21:34

vacina pfizer começa a vacinar os americanos na segunda dia 14Nicolas Economou/NurPhoto via Getty Images

O laboratório americano Pfizer também optou por receber o pagamento pela venda das vacinas contra a Covid-19 ao governo brasileiro por meio de uma de suas offshores: a “Pfizer Export B.V.”, localizada na Holanda.

Trata-se de expediente parecido ao exigido pela Bharat Biotech, que elencou sua offshore Madison Biotech, em Singapura, como intermediária para receber o montante pela venda da Covaxin ao Brasil.

Há, porém, uma diferença. Embora tenha negociado diretamente com a Pfizer, o Ministério da Saúde assinou o contrato de compra direto com offshore, já com previsão de pagamento por meio da subsidiária.

No caso da Covaxin, a compra foi assinada pelo governo brasileiro com a Precisa Medicamento, sem qualquer menção explícita ao fato de que o dinheiro deveria ser transferido para a Madison Biotech.

De março, quando assinou o contrato com a Pfizer, até agora, o Ministério da Saúde já fez ao menos nove transferências para a Pfizer Export B.V para pagar pelas vacinas, totalizando R$ 2,8 bilhões.

Tanto Singapura quanto os Países Baixos, onde Holanda está localizada, são considerados pela Receita Federal brasileira países de “regime fiscal privilegiado”, popularmente chamados de “paraísos fiscais”.

Outro lado
Procurada, a Pfizer limitou-se a confirmar que o contrato com o governo brasileiro “é celebrado com uma das entidades legais da companhia na Europa, que também é responsável pelo recebimento dos pagamentos”.

Mais lidas
Últimas notícias