Notícias, furos e bastidores de política e economia. Com Gustavo Zucchi e Victoria Abel

A missão específica de Michelle Bolsonaro no eleitorado evangélico

Campanha quer que primeira-dama ajude Jair Bolsonaro a crescer entre o eleitorado feminino evangélico

atualizado 14/08/2022 20:03

Michelle e Jair Bolsonaro em cerimônia de comemoração do Dia da Mulher no Palácio do Planalto. Ela acena para a plateia e usa rosa - Metrópoles Hugo Barreto/Metrópoles

A primeira-dama Michelle Bolsonaro recebeu uma tarefa específica da campanha de Jair Bolsonaro à reeleição perante o eleitorado evangélico. A missão de Michelle será consolidar o voto das mulheres evangélicas em seu marido.

Pelas contas de integrantes da campanha de Bolsonaro, o presidente perdeu votos no segmento desde 2018. Boa parte desse número, dizem essas fontes, seriam de mulheres que professam religiões cristãs, como as evangélicas.

Estrategistas da campanha lembram que, há quatro anos, o atual chefe do Palácio do Planalto foi eleito com 90% dos votos entre os eleitores evangélicos. Agora, pelas pesquisas internas, o atual presidente da República teria 70%.

A perspectiva é que, com a consolidação do voto das evangélicas, Bolsonaro possa subir de 10% a 15% entre os eleitores que se declaram protestantes. Com isso, o presidente chegaria a um percentual de votos semelhante ao da eleição de 2018.

Nas últimas semanas, Bolsonaro e Michelle têm intensificado a presença em eventos evangélicos por todo o Brasil.

A primeira-dama esteve inclusive em um almoço na Igreja Batista da Lagoinha, em Belo Horizonte (MG), no domingo (7/8), no qual compareceu a atual mulher de Guilherme de Pádua, assassino da atriz Daniella Perez em 1992.

Mais lidas
Últimas notícias