Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Naomi Matsui

Viúva de Adriano da Nóbrega entrega desembargador, e delação vai à PGR

Desembargador citado por Júlia Lotufo conta com foro especial

atualizado 29/07/2021 8:55

O Ministério Público do Rio de Janeiro decidiu enviar para a Procuradoria-Geral da República a delação de Júlia Lotufo, viúva do capitão Adriano da Nóbrega, miliciano ligado a Flávio Bolsonaro.

O envio ocorreu devido à citação a um desembargador, portanto com foro especial por prerrogativa de função no Superior Tribunal de Justiça.

Júlia Lotufo viveu um relacionamento amoroso por 10 anos com Adriano da Nóbrega e chegou a acompanhá-lo até a Bahia, onde ele foi morto, em fevereiro de 2020. Ficou foragida e teve a prisão preventiva decretada, mas a punição restou em prisão domiciliar. Antes da morte de Nóbrega, ela trabalhou na Subdiretoria-Geral de Recursos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Agora, responde a um processo da 1ª Vara Criminal Especializada da Capital do RJ, por organização criminosa e lavagem de dinheiro. Com a morte do marido, segundo esse processo, coube a ela cuidar do espólio de atividades ilegais de Adriano. Júlia foi denunciada pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Rio (MPRJ), e nesse processo consta um documento da contabilidade dos negócios ilegais de Adriano. Essa planilha foi obtida na quebra do sigilo telemático da viúva.

Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna