Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Paulo Cappelli

“Relação com Alemanha só melhorará sem Bolsonaro”, diz ex-embaixador

Bolsonaro ignorou Olaf Scholz, apontado como futuro chanceler da Alemanha, enquanto conversava com o presidente da Turquia no G20

atualizado 30/10/2021 15:22

Jair Bolsonaro em Roma Jamil Chade/Pool

Embaixador do Brasil na Alemanha por mais de seis anos, o diplomata Roberto Abdenur afirmou que as relações com o país europeu só melhorarão com a saída de Jair Bolsonaro do governo. Neste sábado (30/10), o presidente ignorou Olaf Scholz, o provável substituto da chanceler Angela Merkel, enquanto conversava com o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, durante a reunião da cúpula do G20, em Roma.

Scholz, do Partido Social-Democrata (SPD), anunciou neste mês um acordo com os Verdes e com o Partido Liberal Democrático (FDP) para formar o novo governo alemão. Abdenur prevê que a composição da administração provocará uma piora nas relações bilaterais com o Brasil.

“Nossas relações com a Alemanha, que desde o início com Bolsonaro desceram ao nível mais baixo desde a Segunda Guerra — por conta de agressões dele a Merkel — vão piorar ainda mais com um governo do SPD, tradicionalmente ligado ao PT, e ainda por cima com os Verdes em posição forte na nova coalizão”, disse o ex-embaixador.

“Nossas relações com a Alemanha e também com a França só melhorarão depois da saída de Bolsonaro do governo”, acrescentou Abdenur.

O ex-embaixador destacou que Lula fará uma visita à Europa nos próximos dias e deverá ser “recebido com todas as atenções” em Berlim pelos representantes do SPD.

O PT já teria feito contatos no Brasil com a Fundação Friedrich Ebert, braço político do SPD, para informar o partido sobre a viagem de Lula.

Na conversa em que ignorou Scholz, Bolsonaro contou mentiras sobre a economia, afirmou que a Petrobras “é um problema” e atacou a imprensa.

Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.

Siga a coluna no Twitter e no Instagram para não perder nada.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna