Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Lucas Marchesini

Por que Sergio Moro bate mais em Lula do que em Bolsonaro; análise

O motivo pelo qual Sergio Moro ataca mais Lula do que Bolsonaro é eleitoral

atualizado 01/12/2021 10:31

O candidato à presidência Sergio Moro concede coletiva no Senado Federal para apoiar o posicionamento do Podemos a favor dos programas de transferência de rendaIgo Estrela/Metrópoles

Sergio Moro costuma criticar Lula e Jair Bolsonaro, mas o petista recebe muito mais ataques do ex-juiz do que seu antigo chefe. A postura tem um razão eleitoral. Moro quer conquistar eleitores de Bolsonaro, mais próximos ideologicamente à sua campanha, também no campo da direita.

Só que poupar Bolsonaro pode lhe trazer outro problema: aumentar a percepção de parte do eleitorado de que ele se assemelha em demasia com o presidente. Seria, segundo esses críticos, um Bolsonaro com verniz.

Há um constrangimento a mais. Quando ministro, Moro ficou em silêncio durante um ano e quatro meses em relação a boa parte do que ele teria a criticar sobre Bolsonaro. O extremismo do presidente, os indícios de corrupção, o desmonte do combate a ela, o excludente de ilicitude, tudo isso já havia era tinha ocorrido ou era evidente em abril de 2020, quando ele pediu para sair.

É com Lula que ele quer rivalizar, também como uma forma de dizer ao eleitor antipetista que ele, e não Bolsonaro, é capaz de deter o ex-presidente. Desde que se filiou ao Podemos, Moro fez seis postagens atacando Lula, e somente uma criticando Bolsonaro.

Os adjetivos atribuídos a Lula são sempre mais pesados do que os dispensados a Bolsonaro. Sobre Lula, diz que o ex-presidente tem tendências autoritárias de querer “controlar a mídia”, que “fez um rombo” nas contas públicas do país e que é “negacionista da corrupção”. Já Bolsonaro nunca é citado diretamente. O ex-ministro apenas fala sobre o “descaso” do governo federal e critica propostas apoiadas pelo presidente, como a PEC dos Precatórios. De resto, o poupa.

0

Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.

Siga a coluna no Twitter e no Instagram para não perder nada.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna