Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Lucas Marchesini

Órgão que tratou de extradição de Allan dos Santos inicia 2022 acéfalo

Departamento do Ministério da Justiça está sem chefe desde que enviou pedido de extradição do bolsonarista Allan dos Santos à Interpol

atualizado 05/01/2022 16:26

Allan dos Santos veste traje social e sorriHugo Barreto/Metrópoles

O Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI), órgão do Ministério da Justiça que pediu a extradição do ativista bolsonarista Allan dos Santos, começou 2022 sem um chefe formal.

A unidade está acéfala desde o início de novembro, quando o governo federal exonerou a delegada Silvia Amelia da chefia do DRCI por ter encaminhado o pedido de extradição do militante, feito pelo ministro do STF Alexandre de Moraes em outubro.

A cúpula do MJ ficou irritada por não ter sido informada sobre o pedido sigiloso de Moraes antes de Amelia encaminhá-lo para a PF. Por causa disso, o secretário nacional de Justiça, José Vicente Santini, próximo da família Bolsonaro, mudou o fluxo dos pedidos de extradição. Agora, é necessário que ele assine os pedidos.

Com isso, não há chances de um pedido ser feito sem que o círculo mais próximo de Jair Bolsonaro fique sabendo. Mais de dois meses depois da decisão de Moraes, o nome de Allan ainda não foi incluído na lista vermelha da Interpol.

0

 

Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.

Siga a coluna no Twitter e no Instagram para não perder nada.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna