Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Lucas Marchesini

New Era atinge melhor marca no Brasil ao crescer 50% em 2021

Especializada na venda de bonés, New Era potencializou comercialização de outros itens de vestuário e espalhou franquias

atualizado 25/11/2021 8:29

Boné new eraDivulgação

A marca New Era, fabricante do icônico boné do time New York Yankees, registrará o melhor ano no Brasil desde 2008, quando desembarcou no país. A empresa, que tinha batido recorde de faturamento em 2020, terá um crescimento de 40% a 50% em relação ao último balanço.

O desempenho no Brasil é superior aos números que a marca registrará em outros países, todos com crescimento médio entre 15% a 20%. O diretor da New Era no país, Artur Regen, avalia que um dos diferenciais está na expansão da rede. A empresa fechará o ano com 93 filiais, entre as quais se destacam lojas em Sinop e Rondonópolis, cidades no Mato Grosso com forte presença do agronegócio. “Você tem que ir para onde o dinheiro está”, disse.

Para 2022, a New Era quer avançar globalmente com o e-commerce, expandir as vendas de outros itens de vestuário e tornar a marca conhecida para além do seu público alvo, que engloba pessoas entre 10 a 30 anos.

O Brasil já responde bem às duas primeiras metas. Mais de 50% das vendas são de roupas e acessórios (nos Estados Unidos, o número não passa de 3%), enquanto o e-commerce representa 10% do total de vendas, mais do que qualquer outro país.

A New Era quer apresentar em 2022 um crescimento de mais 15% em relação aos números deste ano, mas fará uma avaliação entre janeiro e fevereiro sobre os impactos que a inflação e a alta do dólar terão nas operações locais. Além disso, o varejo brasileiro costuma patinar durante as eleições presidenciais e a Copa do Mundo.

“Ainda aposto no crescimento pela força da marca. A pré-venda do atacado para o primeiro semestre superou nossa expectativa em 130%. Nosso pensamento é manter esse ritmo de abertura das franqueadas nas cidades com mais de 300 mil habitantes”, disse Regen.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna