Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Lucas Marchesini

Ministro da Justiça deve se candidatar em 2022 pelo União Brasil

Anderson Torres é filiado ao PSL e ele seguirá no partido após a fusão com o DEM que resultará na União Brasil

atualizado 27/11/2021 15:45

ministros da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, durante coletiva sobre o combate ao desmatamento ilegal 14Igo Estrela/Metrópoles

O ministro Anderson Torres, da Justiça, deve permanecer no futuro União Brasil para disputar o Senado pelo Distrito Federal em 2022. Atualmente, Torres está no PSL, partido que se fundirá com o DEM, para dar origem ao União Brasil.

Originalmente delegado da Polícia Federal, Torres trabalhar para tentar convencer a ministra Flávia Arruda, da Secretaria de Governo, a sair candidata ao governo do DF, numa chapa com ele. Seria, da parte dele, uma traição a Ibaneis Rocha, de quem foi secretário de Segurança.

O governador foi um dos grandes incentivadores para Torres entrar para a política e chegou a apadrinhar sua filiação ao PSL, partido em que o ministro está hoje.

Mas convencer Flávia Arruda não será fácil. A ministra não quer concorrer ao governo do DF, segundo pessoas próximas a ela, porque tem duas filhas pequenas e avalia que não conseguiria conciliar com o trabalho como governadora. Arruda prefere disputar o Senado.

Delegado da Polícia Federal, Torres deseja há tempos entrar para a política e tem dito que 2022 será uma oportunidade que não se repetirá.

Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.

Siga a coluna no Twitter e no Instagram para não perder nada.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna