metropoles.com

Lula tem 45% e Bolsonaro 33% no primeiro turno, aponta Quaest

Aumento do Auxílio Brasil não teve impacto positivo relevante para Jair Bolsonaro; 62% das pessoas consideram medida como eleitoreira

atualizado

Compartilhar notícia

Arte/Metrópoles
Montagem de duas fotos de homens se olhando
1 de 1 Montagem de duas fotos de homens se olhando - Foto: Arte/Metrópoles

A nova rodada da pesquisa Quaest, divulgada nesta quarta-feira (16/8), aponta que o pagamento da primeira parcela do Auxílio Brasil, no último dia 9, não teve impacto positivo relevante para Jair Bolsonaro (PL). Na pesquisa estimulada, quando os candidatos são apresentados aos entrevistados, o presidente oscilou um ponto percentual para cima em relação ao levantamento do início do mês, portanto dentro da margem de erro de dois pontos, marcando 33% das intenções de voto. Lula (PT) também oscilou um ponto para cima, chegando a 45%.

Encomendada pela Genial Investimentos, a pesquisa da Quaest mostra que Ciro Gomes (PDT) também oscilou um ponto para cima, na comparação com o último levantamento, marcando 6% das intenções de voto, o mesmo que Simone Tebet (MDB), que também registrou oscilação positiva de 1% e chegou a 3%. Pablo Marçal (PROS) e André Janones (Avante) deixaram a disputa ao Planalto.

Vera Lúcia (PSTU), Eymael (DC), Sofia Manzano (PCB), Felipe d’Ávila (NOVO), Soraya Thronicke (União Brasil) e Leonardo Péricles (UP) não pontuaram. Eleitores indecisos são 6%, mesmo percentual dos que pretendem votar nulo.

Na pesquisa espontânea, que não oferece ao entrevistado os nomes dos presidenciáveis, Lula manteve 36% das intenções de voto no primeiro turno, e Bolsonaro oscilou um para cima, marcando 27%. Ciro Gomes também manteve seu 1% de intenção de voto na espontânea. Brancos, nulos e que não pretendem votar são 2% e indecisos 36%.

Em um segundo turno entre Lula e Bolsonaro, a Quaest mostra que 51% das pessoas votariam no petista contra 38% que votaria no atual presidente.

A pesquisa constatou que o pequeno impacto do Auxílio Brasil e da redução do preço dos combustíveis para Bolsonaro não é devido ao desconhecimento do autor das medidas. O levantamento mostra que 58% dos entrevistados atribuem a autoria ao presidente e não aos governadores dos estados.

Os ajustes no Auxílio Brasil e no Vale-Gás, aprovados pelo Congresso Nacional na PEC Kamikaze no dia 13 de julho, foram planejados com o objetivo de ajudar a eleição de Bolsonaro, segundo 62% dos entrevistados. Acreditam que são medidas destinadas a ajudar as pessoas 33% dos entrevistados.

A pesquisa fez 2 mil entrevistas pessoais com brasileiros a partir de 16 anos, entre 11 a 14 de agosto. O nível de confiança é de 95%. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

0

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comGuilherme Amado

Você quer ficar por dentro da coluna Guilherme Amado e receber notificações em tempo real?

Notificações