Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Lucas Marchesini

Lira recua e diz que Câmara não barrará Bolsonaro por vacina

Mais cedo, Câmara havia declarado que exigiria a vacina contra a Covid de todos, inclusive autoridades do governo federal

atualizado 29/10/2021 20:40

Jair Bolsonaro e Arthur LiraAlan Santos/PR

O presidente da Câmara, Arthur Lira, recuou nesta sexta-feira (29/10) e afirmou que a Casa não barrará Jair Bolsonaro até o presidente se vacinar contra a Covid. Mais cedo, a Câmara havia declarado à coluna que exigiria a vacina de todas as pessoas, inclusive autoridades do governo federal.

“Arthur Lira nega que a Câmara dos Deputados irá barrar o chefe de outro Poder. Mesmo na restrição mais rígida da Câmara, jamais foi impedida a visita do presidente de outro Poder”, afirmou a Presidência da Câmara em nota à coluna.

Mais cedo, em resposta a um questionamento da coluna, que citou autoridades federais, a Câmara informou que exigirá vacinação, aferição da temperatura e máscara para todos que entrarem na Casa. A medida de segurança sanitária atendeu a um pedido da oposição no mês passado.

Deputados ou servidores com acesso aos plenários, seguiu o órgão, poderão substituir o comprovante de vacinação por um laudo laboratorial que comprove a imunização. Até esta sexta-feira (29/10), funcionários que atestaram a vacinação à Câmara receberam um pequeno adesivo, sem holograma, para o crachá.

Antes de negar que exigiria a vacinação do presidente, Lira foi criticado por bolsonaristas nas redes sociais. A presidente da principal comissão da Casa, deputada Bia Kicis, insinuou que Lira estava contra a liberdade ao ter definido as medidas sanitárias da Câmara.

Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.

Siga a coluna no Twitter e no Instagram para não perder nada.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna