Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Lucas Marchesini

Lira pede que evangélicos apontem pautas de costumes prioritárias

Governo Bolsonaro não conseguiu destravar pautas conservadoras no Congresso

atualizado 06/12/2021 23:17

Presidente Arthur Lira durante comemoração a aprovação PEC dos Precatórios votada em 2• turno 3Igo Estrela/Metrópoles

O presidente da Câmara, Arthur Lira, tem procurado deputados da bancada evangélica para tratar do possível avanço de pautas conservadoras na Casa. Lira disse a colegas que em sua campanha à Presidência da Câmara, no início do ano, havia prometido pautar propostas tanto da direita quanto da esquerda e, agora, quer que os evangélicos apontem quais são as prioridades nesses temas. As pautas incluem o Escola sem partido, a flexibilização do porte de armas, a restrição ao aborto e à união homoafetiva.

Deputados evangélicos estão animados com o gesto de Lira, especialmente às vésperas do início da campanha eleitoral. O grupo considera inflamar o eleitorado com esse tipo de discussão na Câmara, que costuma mobilizar suas igrejas. A bancada quer aproveitar o embalo da vitória de André Mendonça para o STF.

Apesar do grande apelo que pautas conservadoras tiveram na eleição de Jair Bolsonaro, o governo não conseguiu destravar nenhuma dessas pautas de costumes.

A atitude de Lira contrasta com o que ele próprio já disse em 2019. Em junho daquele ano, o deputado declarou que o governo Bolsonaro precisava “deixar de lado a pauta de costumes e polêmicas que não contribuem”.

Desde então, além de se eleger ao comando da Casa com o apoio explícito de Bolsonaro, seu partido, o PP, ficou muito perto de filiar a família do presidente e ganhou um ministro no Planalto.

Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.

Siga a coluna no Twitter e no Instagram para não perder nada.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna