metropoles.com

França disse a Alckmin que será candidato se PT não aceitar pesquisas

Márcio França afirmou em reunião com Alckmin que disputará contra Haddad se o PT não quiser definir o candidato em SP com base em pesquisas

atualizado

Compartilhar notícia

Rafaela Felicciano/Metrópoles
Ex-governador Márcio França (PSB)
1 de 1 Ex-governador Márcio França (PSB) - Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

Na reunião em que definiu a filiação ao PSB, Geraldo Alckmin pediu para que Márcio França fosse claro em relação ao que ele está planejando para a eleição ao governo de São Paulo. França explicou a ideia de que o candidato deve ser escolhido por meio de pesquisas e indicou que não planeja abandonar a disputa de outra forma.

Alckmin escutou a proposta de França sobre medir a viabilidade eleitoral por meio de pesquisas, mas apresentou um contra-argumento. “E se o PT não aceitar?”, questionou o ex-tucano. França respondeu que, nesse caso, está disposto a concorrer ao governo estadual contra o petista Fernando Haddad.

A ideia para tentar unificar as candidaturas foi apresentada por França em uma reunião com Lula no mês passado. França sugeriu que PT e PSB fizessem uma pesquisa em maio para analisar o potencial dos candidatos em cenários de segundo turno. Aquele que apresentasse a melhor pontuação seria escolhido para concorrer ao Palácio dos Bandeirantes.

A proposta de França não teve adesão no PT. Haddad está confiante de que conseguirá ganhar a eleição por contar com o apoio de Lula e de Alckmin em seu palanque. Os petistas também viram uma vantagem em ter França como candidato, já que a maioria dos votos do pessebista migraria para o tucano Rodrigo Garcia em caso de desistência.

10 imagens
Lula e Alckmin disputaram o segundo turno das eleições presidenciais de 2006 em uma campanha marcada por ataques mútuos. Lula saiu vencedor com 48,61% dos votos
Após a derrota, Alckmin seguiu como oposição ferrenha a Lula
No entanto, mirando nas eleições de 2022, o ex-presidente mostrou interesse em ter Alckmin como vice
O ex-governador, inclusive, tem sinalizado favoravelmente ao petista
A aliança entre os políticos é estratégica. Ter Alckmin como vice pode atrair setores do mercado e do empresariado que resistem ao nome de Lula como candidato à Presidência da República
1 de 10

Quinze anos depois de concorrerem como rivais nas eleições ao cargo de chefe do Executivo federal, o ex-presidente Lula (PT) e o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) ensaiam formar aliança inusitada para 2022

Ana Nascimento/ Agência Brasil
2 de 10

Lula e Alckmin disputaram o segundo turno das eleições presidenciais de 2006 em uma campanha marcada por ataques mútuos. Lula saiu vencedor com 48,61% dos votos

Band/Reprodução
3 de 10

Após a derrota, Alckmin seguiu como oposição ferrenha a Lula

Filipe Cardoso/ Metrópoles
4 de 10

No entanto, mirando nas eleições de 2022, o ex-presidente mostrou interesse em ter Alckmin como vice

Rafaela Felicciano/Metrópoles
5 de 10

O ex-governador, inclusive, tem sinalizado favoravelmente ao petista

Michael Melo/Metrópoles
6 de 10

A aliança entre os políticos é estratégica. Ter Alckmin como vice pode atrair setores do mercado e do empresariado que resistem ao nome de Lula como candidato à Presidência da República

Michael Melo/Metrópoles
7 de 10

O tucano pode, também, agregar mais votos de São Paulo, o maior colégio eleitoral do país

Igo Estrela/Metrópoles
8 de 10

De acordo com pesquisa realizada em setembro de 2021 pelo Datafolha, Alckmin estava na liderança para o governo paulista

Igo Estrela/Metrópoles
9 de 10

A aliança entre os políticos foi oficializada em abril de 2022. A "demora" envolveu, além das questões legais da política eleitoral, acordo sobre a qual partido o ex-governador se filiaria

Ana Nascimento/ Agência Brasil
10 de 10

Ao ser vice de Lula, Alckmin almeja ganhar ainda mais projeção política, o que o beneficiará durante possível corrida presidencial em 2026

Rafaela Felicciano/Metrópoles

Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.

Siga a coluna no Twitter e no Instagram para não perder nada.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comGuilherme Amado

Você quer ficar por dentro da coluna Guilherme Amado e receber notificações em tempo real?