metropoles.com

Braga Netto pressionou chefes do Exército e da Aeronáutica por golpe

Candidato a vice na chapa de Bolsonaro, Braga Netto ordenou que chefes do Exército e da Aeronáutica fossem pressionados a aderir ao golpe

atualizado

Compartilhar notícia

Igo Estrela/Metrópoles
Bolsonaro General Braga Netto, durante coletiva de imprensa - metrópoles
1 de 1 Bolsonaro General Braga Netto, durante coletiva de imprensa - metrópoles - Foto: Igo Estrela/Metrópoles

O general Walter Braga Netto, candidato a vice-presidente na chapa de Bolsonaro em 2022, instruiu militares a pressionarem os comandantes do Exército e da Aeronáutica a aderirem à tentativa de golpe militar.

As mensagens de WhatsApp obtidas pela Polícia Federal deixam claro que o general Marco Antônio Freire Gomes, ex-comandante do Exército, e Carlos Baptista Júnior, ex-chefe da Aeronáutica, estavam cientes sobre a minuta de decreto golpista entregue a Bolsonaro, mas relutavam a apoiar o plano.

Braga Netto trocou mensagens sobre o assunto com o militar Ailton Barros, amigo de Bolsonaro, em 14 de dezembro de 2022. Ele encaminhou texto a Barros dizendo que “a culpa pelo que está acontecendo e acontecerá é do Gen Freire Gomes. Omissão e indecisão na cabem a um combatente”.

Barros respondeu em tom ameaçador: “vamos oferecer a cabeça dele aos leões”. Braga Netto concordou: “Oferece a cabeça dele. Cagão”. Na sequência, Braga Netto enviou uma foto e sugeriu que ela foi tirada naquele momento em frente à casa de Freire Gomes.

Ainda em conversa com Barros, no dia seguinte, Braga Netto orientou que Baptista Júnior fosse alvo de ataques públicos e chamou o então chefe da Aeronáutica de “traidor da pátria”.

“Senta o pau no Baptista Júnior. Povo sofrendo, arbitrariedades sendo feitas e ele fechado nas mordomias. Negociando favores. Traidor da pátria. Daí para frente, inferniza a vida dele e da família”, escreveu Braga Netto. “Elogia o Garnier e fode o BJ.”

Segundo a PF, as mensagens trocadas entre Braga Netto e Barros provam que o então comandante da Marinha, o almirante Almir Garnier, concordou com o golpe militar e colocou as tropas à disposição de Bolsonaro para levar o plano adiante.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comGuilherme Amado

Você quer ficar por dentro da coluna Guilherme Amado e receber notificações em tempo real?

Notificações