metropoles.com

TCDF determina bloqueio do pagamento de R$ 10,5 mi à empresa que geriu Hospital de Campanha da PM

O corpo técnico do TCDF apontou inconformidades na execução do contrato entre a Secretaria de Saúde e a ASM

atualizado

Compartilhar notícia

Geovana Albuquerque/Agência Saúde
Hospital de campanha do Centro Médico da PMDF
1 de 1 Hospital de campanha do Centro Médico da PMDF - Foto: Geovana Albuquerque/Agência Saúde

O Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) aprovou, nesta quarta-feira (6/10), o bloqueio do pagamento da Secretaria de Saúde do DF no valor de R$ 10,5 milhões para a empresa Associação Saúde em Movimento (ASM), que administrou o Hospital de Campanha da Polícia Militar do DF (PMDF).

A Corte de Contas tomou a decisão após uma inspeção do corpo técnico do TCDF apontar inconformidades na execução do contrato. Apesar de o processo ainda estar em fase de relatório prévio, o relator, conselheiro Inácio Magalhães, determinou o bloqueio cautelar. A medida foi aprovada por maioria no plenário.

O valor de R$ 10,5 milhões decorre de uma nota fiscal para o pagamento de serviços que foram realizados antes da data de inauguração oficial do Hospital de Campanha da PM.

Segundo a apuração do TCDF, o Hospital de Campanha foi inaugurado em 1º de agosto de 2020, mas a empresa emitiu documento cobrando valores relacionados a período anterior à abertura do espaço. A ASM teria anexado notas fiscais de terceiros que forneceram equipamentos para os leitos. O problema apontado pela Corte de Contas é que, além de não haver previsão contratual para reembolso, a despesa faz alusão a datas em que os leitos não estavam sequer disponíveis.

O contrato da Secretaria de Saúde com a ASM terminou em junho de 2021. No fim do mês de maio, o Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) enviou ofício à Secretaria de Saúde reforçando a necessidade de preparar a rede para redirecionamento dos pacientes com coronavírus que eram atendidos na unidade.

Contra renovação

O procurador Marcos Felipe Pinheiro Lima, do Ministério Público de Contas (MPC-DF), ingressou com uma representação para que o TCDF não autorize a renovação do contrato entre a Secretaria de Saúde e a ASM, responsável pela gestão do Hospital de Campanha da Polícia Militar.

Próximo ao término do contrato, entretanto, e por não existirem mais as diárias disponíveis, já levando em consideração os aditamentos, a entidade contratada solicitou à Secretaria de Saúde a prorrogação, com a justificativa de que as unidades hospitalares estavam com 68% de ocupação da totalidade de seus leitos de UTI. O término do contrato estava previsto para o dia 22 de maio de 2021.

“Mostra-se, no mínimo, questionável a prorrogação do contrato em tela, tendo em vista que houve o esgotamento do seu objeto, qual seja, a disponibilidade de diárias para o atendimento aos pacientes com Covid-19, fato confirmado pela ASM na fundamentação do seu pedido, antes do fim da vigência; pedido esse que não pode, com efeito, mais ser atendido, uma vez que não se pode prorrogar o que já se concluiu”, escreveu o procurador.

O que dizem as partes

À coluna, a Secretaria de Saúde informou que “o contrato 104/2020 perdeu a vigência em 30 de junho de 2021” e que a pasta deve R$ 37.903.859,60 à empresa. O valor, no entanto, está “sobrestado em virtude das orientações das áreas responsáveis”.

Confira a nota completa da SES:

“Atualmente, esta SESDF possui sobrestado o valor de R$ 37.903.859,60, em virtude das orientações das áreas responsáveis. Em complemento, a comissão executora do Contrato está procedendo a análise dos processos de pagamento para atender as recomendações do Relatório de Auditoria n.º 32/2021 – SES/CONT/USCI/DINSP e da Decisão nº 2455/2021 – TCDF”.

Em nota, a ASM disse que a Secretaria de Saúde deve R$ 39 milhões e que o TCDF determinou apenas o não pagamento de R$ 10,5 mi. “Como não é determinação definitiva, a ASM vai esclarecer a necessidade de montagem dos leitos”, afirmou.

Confira a nota da ASM na íntegra:

“A Associação Saúde em Movimento esclarece que o Tribunal de Contas do DF analisou três ações, sendo duas de dívidas da Secretaria de Saúde com a organização social, deferindo o pedido e determinando que a SES pague o montante de R$ 29 milhões pela prestação de serviços no Hospital de Campanha da PM.

O total devido pela Secretaria de Saúde era de R$ 39 milhões, mas o TCDF, em medida cautelar, determinou o não pagamento de R$ 10,5 milhões pela montagem dos leitos de UTI no hospital, apenas pela prestação de serviços no período contratado. Como não é determinação definitiva, a ASM vai esclarecer a necessidade de montagem dos leitos.

Esclarecemos que essa glosa de R$ 10.579.738,69 (R$ 10,5 milhões) compete à infraestrutura e montagem, dentro dos custos do contrato, e por isso a nota foi apresentada.

Os outros R$ 29 milhões devidos pela Secretaria de Saúde pela prestação de serviços foram nesta quarta-feira (6) devidamente atestados pelo executor do contrato SES 104/2020 e analisados e reconhecidos pelo Tribunal de Contas, e que a Associação estava apta para recebimento de pacientes. O TCDF também entendeu que não deveria ter tido bloqueio de leitos por parte da SES no hospital de campanha.

Associação ressalta que mesmo com a falta de pagamento por parte da SES nunca parou os trabalhos em prol dos pacientes internados nas unidades de terapia intensiva (UTIs), prestando toda assistência necessária.”

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?