Observadora do cenário político do DF, lança luz nos bastidores do poder na capital.

Diplomação dos eleitos no DF será no QG do Exército. Desembargador é contra

O desembargador Eleitoral Souza Prudente protestou contra diplomação dos eleitos no DF no auditório do QG do Exército, em Brasília

atualizado 24/11/2022 17:57

Fotografia colorida de rua com construção ao fundo Reprodução/Google Street View

O Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE-DF) reservou o Auditório Pedro Calmon, no Quartel-General do Exército, em Brasília, para o evento em que serão entregues os diplomas ao governador do DF, à vice-governadora, à senadora, ao suplente, aos deputados federais e deputados distritais vencedores das eleições de outubro de 2022.

A cerimônia será realizada no dia 19 de dezembro. Foi também, nesse local, onde os eleitos de 2018 receberam os diplomas.

Neste ano, porém, há movimentação diferente na região do QG do Exército. Cidadãos que questionam a eleição de Lula (PT) para a Presidência da República estão acampados em frente ao local desde o dia 30 de outubro.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
0

Diante do protesto e do clima de polarização política, o desembargador do TRE-DF Souza Prudente pediu para que a solenidade ocorra no Centro de Convenções Ulysses Guimarães. Durante a sessão do TRE-DF, nesta quinta-feira (24/11), o magistrado sugeriu que o órgão não pagasse pelo aluguel, por se tratar de “serviço público essencial”.

“Peço que se requisite o plenário do Centro de Convenções de Brasília para que se realize [o evento] totalmente isento e fora de qualquer influência do poderio militar do Brasil”, afirmou Souza Prudente.

Em resposta, o presidente do TRE-DF, desembargador Roberval Belinati, disse que o comandante militar do Planalto, general Dutra, afirmou que o Exército tomará todas as providências para assegurar a diplomação dos eleitos no auditório do QG do Exército.

“A minha preocupação não é de que haja manifestação. A minha preocupação é institucional. Esta é uma Justiça Eleitoral respeitada, isenta. Pelo contexto histórico no qual estamos inseridos, não vejo com bons olhos. Por que não requisitarmos um auditório isento”, insistiu Souza Prudente.

O presidente do TRE-DF esclareceu que a despesa com o uso do auditório do Exército será de aproximadamente R$ 10 mil. E, se fosse utilizar o Centro de Convenções, o custo seria de R$ 100 mil, de acordo com Belinati.

Crítica

O desembargador Souza Prudente repudiou a fala do ex-colega do TRE-DF, desembargador aposentado Sebastião Coelho, que pediu a prisão do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes.

“Quero parabenizar o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Alexandre de Moraes, de uma cultura incontestável, um dos maiores constitucionalistas que temos no Brasil, não só pela cultura, mas também pela sua coragem e determinação, no sentido de decidir, com mão firme, contra aqueles que pretendem atentar contra o regime democrático e o Estado de Direito”, afirmou.

“Também quero aqui repudiar, em público, lamentavelmente, a manifestação de um ilustre ex-colega nosso que ocupou o cargo de vice-presidente e corregedor por uma incitação pública à prisão do presidente do Tribunal Superior Eleitoral. Quero aqui repudiar as manifestações do desembargador aposentado Sebastião Coelho”, disse Souza Prudente.

Mais lidas
Últimas notícias