Observadora do cenário político do DF, lança luz nos bastidores do poder na capital.

Com UTIs lotadas, Ibaneis e Paco Britto determinam que Saúde abra leitos imediatamente

A ocupação dos leitos de UTI no DF chegou a 81%. Diante do quadro, o comando do GDF determinou a imediata utilização dos hospitais acoplados

atualizado 14/01/2022 14:21

Brasília (DF), 30/10/20 Hospital HRANAmbulâncias embarcando pHugo Barreto/Metrópoles

A crescente ocupação dos leitos de UTIs públicos e privados despertou um estado de alerta geral no comando do Governo do DF. No fim da manhã desta sexta-feira (14/1), o governador Ibaneis Rocha (MDB) conversou com o governador em exercício, Paco Britto (Avante), e pediu que o seu substituto faça cumprir a determinação para a abertura imediata de mais leitos de tratamento intensivo.

Com o crescimento de infectados pela variante Ômicron, além do surto de influenza e do aumento de casos de dengue, o nível de ocupação nos leitos de UTI voltou a 81%, o que ocorreu no auge da pandemia e é considerado um patamar já alarmante.

0

A superlotação dos leitos de UTI já havia sido alertada por integrantes da cúpula do governo ao general Manoel Pafiadache, que lidera a Saúde no DF. O secretário de Saúde, no entanto, negligenciou os alertas e demorou a tomar uma medida considerada essencial para se antecipar ao possível colapso nos hospitais. Foi necessária a intervenção direta do governador e do vice, que está em exercício, para garantir que as medidas sejam agora providenciadas.

Os chamados hospitais acoplados são estruturas vinculadas aos hospitais regionais de Ceilândia e de Samambaia. Essas extensões foram construídas no âmbito do enfrentamento da pandemia por iniciativa do Comitê Todos contra a Covid, coordenado pelo vice-governador. Parte dos recursos foi levantada com a ajuda da iniciativa privada. Essas unidades têm capacidade para acrescentar ao sistema de saúde mais 200 leitos de UTI.

“A partir de agora, não é mais opção: é determinação. Vamos abrir quantos leitos forem necessários para enfrentar mais este período de crise. Esta foi uma ordem do governador com a qual me alinho totalmente. A Secretaria de Saúde terá de providenciar o que for necessário para que a medida seja cumprida”, disse Paco Britto à coluna Grande Angular.

Paco Britto está como governador interino até o dia 22 de janeiro, quando o governador Ibaneis retorna ao cargo.

Mais lidas
Últimas notícias