Matheus Ribeiro vai processar radialista goiano por homofobia

"Estas pessoas, as homofóbicas, precisam de resposta à altura", afirmou a advogada de Ribeiro

Instagram/ReproduçãoInstagram/Reprodução

atualizado 18/11/2019 10:33

É, o sucesso incomoda. Mais ainda os preconceituosos. Bastou Matheus Ribeiro tornar-se conhecido no Brasil inteiro após ser o primeiro jornalista assumidamente homossexual a apresentar o Jornal Nacional para despertar a ira dos homofóbicos.

Um, em particular, terá de responder na Justiça pelos comentários jocosos. Luiz Gama, radialista de Goiânia (GO), mesma cidade de Matheus, usou o Twitter na última terça-feira (13/11/2019) para destilar preconceitos contra o conterrâneo.

“Putz! Onde o Brasil vai parar? Queimar a rosca agora é moda. Um apresentador de telejornal de qualidade média virou a bola da vez no jornalismo nacional só porque revelou que sua rosquinha está à disposição. A qualidade profissional que se f…”, escreveu Gama.

E pensa que ele foi apenas homofóbico? Não! Em sua revolta, Gama ainda deu insinuações racistas citando a decisão do presidente Jair Bolsonaro em acabar com a obrigatoriedade do diploma para o exercício da profissão de jornalista.

“Jair Bolsonaro está corretíssimo ao acabar com o registro na DRT e por acabar com a exigência de diploma para jornalistas. Afinal, tem uma fraquíssima em rede nacional só por causa da cor de pele e outro comunzão fazendo fama só porque avisou que queima a rosca”, disse o radialista.

À coluna F5, da Folha de S. Paulo, a advogada de Matheus Ribeiro, Maria Thereza Alencastro, garantiu que medidas serão tomadas nas áreas cível e criminal, bem como será pedida indenização por damos morais e crime de racismo — em junho, o Supremo Tribunal Federal (STF) enquadrou ataques e ofensas à comunidade LGBT na chamada Lei do Racismo.

​​”Matheus, que tem visibilidade, por seus próprios méritos —diga-se de passagem, tem esta obrigação. Não para se proteger, já que a ele estes comentários não prejudicam, mas para proteger todos que não têm voz como ele. Estas pessoas, as homofóbicas, precisam de resposta à altura”, afirmou Alencastro.

Repercussão

A Band News FM Goiânia, emissora na qual Gama trabalha, afirma, em nota, que “a respeito das publicações do radialista Luiz Gama (equipe Feras do Esporte), no Twitter, esclarece que não interfere nas opiniões de seus colaboradores e/ou prestadores de serviço em redes sociais”.

“A emissora reafirma seu compromisso com a defesa de princípios democráticos, a construção de uma sociedade livre, justa e solidária, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação”, finaliza.

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de Goiás, também por nota, enfatiza a necessidade de manutenção do registro profissional ao afirmar que “um dos detratores é pessoa que se diz apenas jornalista”. No texto, a entidade ainda reforça que difamadores “merecem voltar para a escória da sociedade”.

SOBRE O AUTOR
Rafael Campos

Jornalista formado pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Atuou como repórter e editor do Sistema Meio Norte de Comunicação, em seu estado, até 2010. Ao chegar a Brasília, trabalhou por cinco anos no jornal Correio Braziliense como repórter e colunista. Desde 2016, é social media no Metrópoles. Entre suas premiações, recebeu o 2º Prêmio Inovação de Jornalismo; o 1º Prêmio SBPT de jornalismo em Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), o Prêmio Sebrae de Jornalismo e o Goethe-Institut Journalism Award for Young Journalists.

Últimas notícias