Maiara e Maraisa se revoltam com ilustração em que usam suástica

As cantoras chamaram a situação de absurda e afirmaram que os advogados delas foram acionados

atualizado 21/01/2020 18:20

Pelo Instagram, Maiara e Maraisa lançaram uma nota de repúdio a uma imagem delas que circula na internet. Na manhã desta terça-feira (21/01/2020), a Folha de S. Paulo publicou um texto do colunista Anderson França, que possui também um desenho feito por ele. Horas depois, a capa da matéria foi trocada.

Na ilustração, as irmãs aparecem com microfones na mão, mas uma delas também usa uma braçadeira com uma suástica, símbolo do nazismo. A coluna recebeu o nome de “Silêncio sobre Roberto Alvim reinou entre o pessoal do axé, do sertanejo e do pagode”.

O texto também critica a postura delas. “Tanto faz falar da guerra no Iraque, do preço da carne, de uma cidade inteira inundada por lama tóxica, racismo, nazismo, qualquer merda: a cara delas é de paisagem, de nada, de vazio”, diz um trecho.

As gêmeas não têm costume de se posicionar politicamente e, como esperado, optaram por não comentar a exoneração do então Secretário Especial da Cultura. Apesar disso, elas ficaram revoltadas com a coluna e acionaram os advogados.

Na nota de repúdio, Maiara e Maraisa falaram que a acusação é absurda. “Em tempos onde alimentar o ódio na web virou rotina, nos deparamos com tamanho absurdo”, fala a nota. “Associar a dupla ao nazismo é uma grande irresponsabilidade e uma agressão as cantoras que repudiam toda e qualquer atitude que remeta a essa época tão sombria da história”, continua.

Ainda no desabafo, as irmãs perguntam quem realmente está espalhando ódio. “Pessoas que por escolha própria preferem não se posicionar publicamente ou alguém que se posiciona atacando e tirando conclusões que ultrapassam o limite da crueldade?”, questiona.

“Maiara e Maraisa sempre foram e serão a favor da liberdade de imprensa, mas para tudo há de se ter bom senso e responsabilidade”, cobra. “Diante de tamanha agressão e irresponsabilidade, o departamento jurídico das artistas já foi acionado para que os responsáveis respondam juridicamente pelos seus atos”, complementa.

Leia a nota das cantoras na íntegra:

 

Ver essa foto no Instagram

 

NOTA DE REPÚDIO ⠀ Nesta terça-feira, 21 de janeiro, foi publicado no jornal Folha de São Paulo, na coluna do Anderson França, o texto “Silêncio sobre Roberto Alvim reinou entre o pessoal do axé, do sertanejo e do pagode”, que faz crítica a alguns segmentos da classe artística brasileira. ⠀ Uma ilustração, feita pelo mesmo autor do texto, mostra a dupla Maiara e Maraisa usando uma braçadeira com uma suástica nazista. Em tempos onde alimentar o ódio na web virou rotina, nos deparamos com tamanho absurdo. ⠀ Associar a dupla ao nazismo é uma grande irresponsabilidade e uma agressão as cantoras que repudiam toda e qualquer atitude que remeta a essa época tão sombria da história. ⠀ Podemos fazer uma breve reflexão: Quem alimenta o ódio? Quem cultiva a discórdia? Pessoas que por escolha própria preferem não se posicionar publicamente ou alguém que se posiciona atacando e tirando conclusões que ultrapassam o limite da crueldade? ⠀ Maiara e Maraisa sempre foram e serão a favor da liberdade de imprensa, mas para tudo há de se ter bom senso e responsabilidade. ⠀ Diante de tamanha agressão e irresponsabilidade, o departamento jurídico das artistas já foi acionado para que os responsáveis respondam juridicamente pelos seus atos. ⠀ Maiara e Maraisa, neste momento pedem aos seus fãs que não alimentem o mal, não alimentem a mentira e mostrem que podemos respeitar o próximo, concordando ou não com suas opiniões.

Uma publicação compartilhada por Maiara e Maraisa (@maiaraemaraisa) em

SOBRE O AUTOR
Isabella Cavalcante

Formada em jornalismo pelo Centro Universitário de Brasília (UniCeub), fez parte da equipe de Vida & Estilo do portal por quase dois anos, editoria na qual abordou, principalmente, temas de comportamento e produziu perfis. Em 2018, foi finalista do Prêmio Netherlands Hanseniasis Relief - Brasil. Atualmente, integra a equipe de Redes Sociais e é pós-graduanda em Direitos Humanos.

Últimas notícias