Bailarinas do Faustão: por onde andam as musas da primeira geração

A coluna lembra como o balé mais famoso do país surgiu e conta onde estão algumas das precursoras

atualizado 30/11/2020 20:08

REPRODUÇÃO

Hoje em dia, é impossível imaginar o Domingão do Faustão sem as suas famosas bailarinas. Mas nem sempre foi assim. Quando o programa estreou em 1989, elas nem faziam parte do elenco fixo. A coluna foi buscar lá no fundo do baú como o balé se tornou tão importante para Fausto Silva e por onde andam as primeiras musas da atração.

No início do Domingão do Faustão, a produção do programa convidava profissionais de dança de diversas academias do Rio de Janeiro para se apresentarem. A cada episódio, era um grupo diferente. E não eram só mulheres. Nessa época, os bailarinos homens também estavam sempre presentes.

Os famosos que namoraram bailarinas do Faustão

0

Até que, em 1994, foi criada a Aeróbica do Faustão, um elenco fixo com as melhores bailarinas selecionadas das academias que já se apresentavam por lá. E não havia nada desses figurinos glamourosos que as musas do Domingão usam hoje. Na época, a moda era maiô em cores neon e tênis de cano alto.

Já nos anos 2000, elas passaram a ser chamadas de Balé do Faustão e vêm ganhando cada vez mais relevância no programa. Todas as bailarinas são creditadas ao final de cada episódio e algumas também desempenham outras funções, como de assistentes de palco ou coreógrafas de quadros como o Dança dos Famosos.

Dança e outras profissões

Algumas bailarinas da primeira geração continuam na mídia até os dias de hoje e pouco são lembradas por terem passado pelo palco do Domingão. É o caso das atrizes Julianne Trevisol e Quitéria Chagas. Já Drika Marinho e Juliane Almeida trabalham como influenciadoras digitais.

Nomes pouco conhecidos do grande público hoje, Priscilla Santos, Bianca Teles, Patricia Salles, Aline Barbosa, Claudia Rocha e Tatiana Ferreira viram no trabalho com Faustão o pontapé inicial para uma carreira com a dança. Elas ainda trabalham como dançarinas, coreógrafas ou são donas de academias que levam seus nomes.

No entanto, há também aquelas que encontraram suas vocações em outras profissões. Andrezza Cruz, por exemplo, se tornou diretora da Rede Globo. Já Ivonete Liberato atua como nutricionista. Bianca Cardoso é analista de TI e Aline Pyrrho é representante farmacêutica. Por fim, Janaína Santos estuda para ser arquiteta.

Últimas notícias