Rogério Rosso troca o comando do PSD por seu financiador de campanha

Ex-governador-tampão foi contratado pela farmacêutica União Química, de propriedade do ex-candidato ao Senado Fernando Marques

Ricardo Botelho/Especial para o MetrópolesRicardo Botelho/Especial para o Metrópoles

atualizado 08/05/2019 16:26

Rogério Rosso comunicou na tarde desta quarta-feira (08/05/2019) que abandonará o mandato de presidente regional do PSD no DF. O ex-governador tampão vai se dedicar à iniciativa privada. Ele foi recém-contratado pela União Química, grande farmacêutica de propriedade de Fernando Marques.

Em 2018, o empresário candidatou-se ao Senado pela chapa encabeçada por Rosso. Declarou, na época, ser o mais rico postulante do Brasil. Somente na campanha do pessedista, ele depositou quase R$ 1 milhão. Investiu, ainda, outros R$ 2,7 milhões na própria candidatura.

Tanto Marques quanto Rosso perderam as eleições majoritárias. Sem prestígio político, o ex-candidato ao GDF não conseguiu se acomodar na Esplanada dos Ministérios como pretendia. Fora da vida pública, o jeito agora é investir na iniciativa privada.

Uma dobradinha que já foi testada em laboratório, fracassou, mas pode voltar vitaminada em 2022.

SOBRE O AUTOR
Caio Barbieri

Cursou jornalismo no Centro Universitário de Brasília (UniCeub). Passou pelas redações do Correio Braziliense, Agência Brasil, Rádio Nacional e foi editor-adjunto da Tribuna do Brasil. Ocupou a assessoria especial no Ministério da Transparência e foi secretário-adjunto de Comunicação do GDF. Chefiou o relacionamento com a imprensa na Casa Civil, Vice-Governadoria, Secretaria de Habitação e na Secretaria de Turismo do DF. Fez consultoria para vários partidos, entidades sindicais e políticos da Câmara Legislativa e do Congresso Nacional. Assina a coluna Janela Indiscreta do Metrópoles e cobre os bastidores do poder em Brasília.

Últimas notícias