OAB-DF diz não ter sido chamada para debate sobre Exame da Ordem

Convocado pelo deputado federal Luís Miranda (DEM), o evento discutirá a manutenção ou não da prova

Igo Estrela/MetrópolesIgo Estrela/Metrópoles

atualizado 15/04/2019 20:37

A divulgação de um debate no Congresso Nacional para discutir o Exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) causou mal-estar nesta segunda-feira (15/04/19) ao comando da seccional da entidade no Distrito Federal (OAB-DF). O convite do deputado federal Luís Miranda (DEM-DF) afirma que a reunião será realizada nesta terça (16/04/19), às 16h, na Câmara dos Deputados. A questão é que a própria OAB-DF garante não ter sido comunicada sobre o evento e adiantou que não enviará representantes.

A entidade que representa os advogados divulgou nota sustentando que “ninguém de sua diretoria foi convidado para tal evento; na agenda institucional do deputado, não aparece o debate; desde sexta-feira tenta, sem sucesso, esclarecer com o gabinete do parlamentar o que possa ter ocorrido; e que no local constante do convite, segundo o site da Câmara, será realizado um debate sobre criminalidade organizada”.

O texto, assinado pelo comando da instituição, sugere ainda que o convite formulado por Miranda “seja uma montagem envolvendo os nomes do deputado e da Ordem. Diante de tal situação, a OAB-DF não se fará presente, colocando-se sempre à disposição para tratar do assunto”.

 

“Problema político”
Procurado pela coluna, o deputado Luís Miranda confirmou a realização do debate e disse ter entrado em contato a presidência da OAB. “A gente sente que só pode ser um problema político interno deles, porque ainda não haviam recebido a nota nesta manhã, mas, logo depois, receberam. Parece que há uma base rachada, que estava convidando todos para irem, mas não era aliada da atual diretoria”, disse.

Por se tratar de um tema controverso e que tem sido defendido por integrantes do atual governo, de Jair Bolsonaro (PSL), o congressista garante que quer lutar justamente “para defender a causa da OAB”. “A reunião existe, deve lotar e vai tratar sobre o que o novo ministro da Economia [Paulo Guedes] vem falando, que é acabar com a prova da entidade. Isso é algo polêmico, porque há projeto de lei do próprio Bolsonaro nesse sentido e há outro que deram entrada neste ano com a mesma ideia”.

Segundo Miranda, a tendência é que o assunto seja pautado no Congresso nos próximos dias e a realização do evento é o primeiro passo para as discussões. “Perguntaram para mim se eu tinha interesse em ser o relator da matéria, mas não vou relatar uma pauta sem escutar a própria OAB. É do meu interesse conhecer mais a causa, o que pensam os conselheiros, os advogados. Eu não posso ouvir apenas o presidente da entidade. Tenho que ouvir todos os interessados, e esse é o principal ponto da reunião”, disse.

SOBRE O AUTOR
Caio Barbieri

Cursou jornalismo no Centro Universitário de Brasília (UniCeub). Passou pelas redações do Correio Braziliense, Agência Brasil, Rádio Nacional e foi editor-adjunto da Tribuna do Brasil. Ocupou a assessoria especial no Ministério da Transparência e foi secretário-adjunto de Comunicação do GDF. Chefiou o relacionamento com a imprensa na Casa Civil, Vice-Governadoria, Secretaria de Habitação e na Secretaria de Turismo do DF. Fez consultoria para vários partidos, entidades sindicais e políticos da Câmara Legislativa e do Congresso Nacional. Assina a coluna Janela Indiscreta do Metrópoles e cobre os bastidores do poder em Brasília.

Últimas notícias