Eleitos pelo Distrito Federal, Bia Kicis e Donizet trocam PRP pelo PSL

Apoiadores de Bolsonaro tiveram de concorrer em legenda diferente da do presidente por conta de embates com diretório local

Acervo pessoalAcervo pessoal

atualizado 31/01/2019 17:11

Estreante na Câmara Legislativa, o deputado distrital Daniel Donizet decidiu mudar sua filiação política. Nesta quinta-feira (31/1), o parlamentar deixou o Partido Republicano Progressista (PRP) – pelo qual foi eleito – para ingressar no Partido Social Liberal (PSL), legenda do presidente da República, Jair Bolsonaro.

Donizet segue o mesmo caminho da deputada federal eleita Bia Kicis. Ela também sai do PRP para se filiar ao PSL. A mudança será efetivada assim que a congressista tomar posse nesta sexta-feira (1º/2) na Câmara dos Deputados.

“Agradeço o espaço que o PRP me cedeu para a disputa eleitoral, mas, a partir deste momento, sigo com o PSL, mas isso não impede de nos mantermos juntos na construção de um projeto maior”, afirmou Donizet ao Metrópoles.

Racha no PSL
Nas eleições de 2018, o diretório nacional do PSL se desentendeu com o presidente regional da legenda, Newton Lins. O comando local não acatou decisões majoritárias do partido e não deu abrigo à campanha do general Paulo Chagas para o Palácio do Buriti. Lins preferiu apoiar o nome de Ibaneis Rocha (MDB) e o militar da reserva acabou no PRP.

A mudança dos dois novos deputados foi costurada pela nacional do PSL. Newton Lins deve deixar o comando da sigla em março, quando a cadeira passará a ser ocupada por Bia Kicis.

O grupo defende que a troca de legenda não configurará infidelidade partidária, uma vez que os dois estão legalmente amparados pela Emenda Constitucional nº 97. O texto permite que parlamentares eleitos por partidos que não cumpriram a cláusula de barreira, como ocorreu com o PRP, troquem livremente de legenda sem a perda do mandato.

SOBRE OS AUTORES
Caio Barbieri

Cursou jornalismo no Centro Universitário de Brasília (UniCeub). Passou pelas redações do Correio Braziliense, Agência Brasil, Rádio Nacional e foi editor-adjunto da Tribuna do Brasil. Ocupou a assessoria especial no Ministério da Transparência e foi secretário-adjunto de Comunicação do GDF. Chefiou o relacionamento com a imprensa na Casa Civil, Vice-Governadoria, Secretaria de Habitação e na Secretaria de Turismo do DF. Fez consultoria para vários partidos, entidades sindicais e políticos da Câmara Legislativa e do Congresso Nacional. Assina a coluna Janela Indiscreta do Metrópoles e cobre os bastidores do poder em Brasília.

Isadora Teixeira

Formada pelo Centro Universitário Iesb, atua como repórter do Metrópoles desde 2017. Na editoria de Cidades, cobre assuntos políticos relacionados ao Distrito Federal

Últimas notícias