Saiba como a moda acompanhou o rock ao longo da história

O estilo musical evoluiu e lançou tendências no universo fashion desde o seu surgimento, em meados dos anos 1950

Brad Elterman/BuzzFoto/FilmMagic

atualizado 01/08/2019 14:26

A moda e a música andam sempre juntas, especialmente quando o assunto é rock’n’roll. Dividido em várias vertentes, o gênero evoluiu a cada década desde que emergiu, nos anos 1950. Junto, surgiu também um visual que simboliza liberdade e quebra de padrões sociais.

Ao longo do tempo, bandas e artistas foram responsáveis por criar tendências e transformar o mundo do rock em um verdadeiro estilo de vida. Hoje, o gênero já não tem mais a mesma força no mercado musical, mas seu legado prossegue como fonte de inspirações para o universo fashion.

Neste sábado (13/07/2019), é comemorado o Dia Mundial do Rock no Brasil. A data foi criada como uma homenagem ao festival beneficente Liv Aid, de 1985. Em 13 de julho daquele ano, vários artistas lendários apresentaram-se simultaneamente em shows nos Estados Unidos e na Inglaterra.

Descubra, a seguir, como o estilo rocker evoluiu ao longo dos anos.

Vem comigo!

O início: 1950

O rock’n’roll surgiu na década de 1950, nos Estados Unidos, derivado principalmente do rhythm and blues, que misturava elementos do blues, jazz e gospel. O disc jockey Alan Freed é considerado o responsável por definir o estilo musical com a expressão “rock’n’roll”, no início dos anos 1950.

Entretanto, o verbo “to rock” (balançar, em inglês) já era amplamente utilizado em letras e títulos de canções antes dessa definição. Afinal, eram músicas aceleradas e dançantes, com destaque para o som das guitarras elétricas e voltada para os jovens.

Por ser um ritmo derivado da black music, logo chocou por atrair o público branco. Artistas como Chuck Berry e Bill Haley derrubaram fronteiras e foram pioneiros no gênero, posteriormente popularizado por Elvis Presley. O Rei do Rock tornou-se um símbolo da cultura pop, sem falar em seu visual icônico quando subia aos palcos.

Elvis Presley usava terninhos, jaquetas, sapatos estilo loafer e arrematava o look com topete. Os conjuntos de gola alta com strass, que viraram uma de suas marcas de estilo, vieram só mais tarde.

John D. Kisch/Separate Cinema Archive/Getty Images
Chuck Berry, um dos pioneiros do rock’n’roll, em pôster de um musical de Alan Freed

 

Michael Ochs Archives/Getty Images
No início da carreira, nos anos 1950, Elvis Presley usava jaquetas, terninhos e loafers

 

Michael Ochs Archives/Getty Images
O visual performático com strass e aplicações veio só mais tarde. Esta foto, por exemplo, é de 1974
Juventude rocker: 1960 em diante

Naquele período, o charme dos astros do rock começou a influenciar o gosto dos jovens, que queriam se vestir iguais aos seus ídolos. Foi o momento de buscar algo novo e fugir da caretice da vida exaustiva pós-Segunda Guerra Mundial.

Desde então, peças jeans e jaquetas de couro ganharam lugar no guarda-roupa da juventude rocker. Especialmente dos greasers, subcultura dos Estados Unidos famosa pelos motociclistas que se reuniam em gangues. Os atores Marlon Brando e James Dean tornaram-se ícones do estilo rebelde, que também atraiu garotas.

Michael Ochs Archives/Getty Images
Marlon Brando virou um dos ícones de estilo rocker nos anos 1950, especialmente com seu personagem no filme O Selvagem (1953)

 

Keystone Features/Getty Images
Jovem com jaqueta biker. O estilo greaser também conquistou as garotas

 

A influência das bandas britânicas Beatles e Rolling Stones, nos anos 1960, trouxe à tona os terninhos slim em tons sóbrios e as botas Chelsea. Os rockstars passaram a ser venerados pelos fãs.

Com a popularidade das drogas psicodélicas, a música e a moda acompanharam o fluxo. Pink Floyd e The Doors foram vozes importantes do rock psicodélico, também adotado pelos Beatles.

Flower power: 1970

Grande voz feminina desse período, Janis Joplin apostava em visuais hippies, colares e tecidos mais soltos. Na mesma onda, o cantor Jimi Hendrix fazia combinações extravagantes e bastante trabalhadas.

Michael Ochs Archives/Getty Images
Os Beatles ficaram famosos com terninhos slim do início dos anos 1960, antes de entrarem na onda da psicodelia

 

Mark and Colleen Hayward/Redferns
Rolling Stones, mais rebeldes que os colegas britânicos, com terninhos e peças de couro

 

RB/Redferns via Getty Images
Janis Joplin gostava de uma pegada mais hippie

 

David Redfern/Redferns via Getty Images
Com visuais excêntricos e cheios de informação, Jimi Hendrix foi um dos artistas de rock influentes nos anos 1960

 

O fim dos anos 1960 e início dos 1970 marcou o surgimento do glam rock, disseminado por artistas como David Bowie. Essa estética explorou um toque andrógino, com mullets, macacões colados, peças de vinil, couro e animal print. Alguns grupos, inclusive, usavam maquiagem. O glam metal, com som mais carregado, ganhou forma com as bandas Kiss, Queen e Aerosmith.

O som pesado, por sua vez, tornou-se a especialidade de bandas de heavy metal, como Black Sabath, Led Zeppelin, Iron Maiden, Metallica e AC/DC.

Gijsbert Hanekroot/Redferns
David Bowie foi um grande exemplo do glam rock

 

Steve Morley/Redferns via Getty Images
A banda Kiss, de glam metal, ficou conhecida pelos visuais performáticos, ousados e andróginos, além dos rostos pintados

 

Chris Walter/WireImage
Black Sabbath, uma das primeiras bandas de heavy metal

 

Michael Putland/Getty Images
Iron Maiden, uma das mais populares do heavy metal, em foto de 1982. Visualmente, o estilo é conhecido pelos cabelos longos dos integrantes das bandas. E, é claro, jaquetas de couro!

 

Punk rock:  fim da década de 1970

O fim década de 1970 foi a época do punk, estilo que refletia liberdade e individualidade. A juventude viu, na música e nas vestimentas, uma forma de se rebelar contra o status quo da sociedade.

Cabelos coloridos e arrepiados, moicanos, peças de couro e muitos spikes passaram a compor o visual de rapazes e moças. Ramones, Misfists, The Clash, Iggy and The Stooges e Dead Kennedys estão entre as bandas de destaque nessa vertente do rock.

Michael Ochs Archives/Getty Images
Ramones foi uma das bandas mais influentes de punk rock

 

Erica Echenberg/Redferns via Getty Images
Moicanos e cabelos arrepiados faziam parte do estilo

 

Virginia Turbett/Redferns
Cabelos coloridos e jaquetas de couro arrematavam o visual punk setentista

 

Caroline Greville-Morris/Redferns via Getty Images
O movimento punk prezava pela individualidade

 

A designer britânica Vivienne Westwood é conhecida como “a estilista punk”. Na década de 1970, abriu uma loja que teve vários nomes, mas ficou conhecida como Sex. O então namorado e sócio de Westwood, Malcolm McLaren, era empresário da banda Sex Pistols, uma das mais influentes do subgênero.

Até hoje, a estilista mantém a atitude irreverente em suas coleções. A butique permanece aberta com o nome que ganhou em 1981, Worlds End (fim do mundo, em inglês).

Daily Mirror / Bill Kennedy/Mirrorpix/Mirrorpix via Getty Images
Malcolm McLaren e Vivienne Westwood foram os responsáveis pela butique Sex na década de 1970

 

Staff/Mirrorpix/Getty Images
Punk rocker Pamela Rooke na frente da butique Sex, em 1976

 

O período ’70s também teve um destaque especial para a presença feminina no rock, com artistas e bandas como The Runaways, Blondie, Siouxsie and the Banshees e Patti Smith. Durante esse tempo, era Rita Lee quem causava com irreverência no cenário do rock brasileiro. A artista flertou com vários gêneros ao longo da carreira, mas se consolidou como ícone do rock feminino nacional.

Michael Ochs Archives/Getty Images
The Runaways, conhecidas pelos hits Cherry Bomb e California Paradise

 

Suzan Carson/Michael Ochs Archives/Getty Images
Debbie Harry é a vocalista da banda Blondie, criada em 1974

 

Fin Costello/Redferns/Getty Images
Siouxsie and the Banshees, liderada por Siouxie Sioux

 

Leif Skoogfors/CORBIS/Corbis via Getty Images
Patti Smith com seu visual cult

 

Reprodução/Flickr
Rita Lee é um ícone do rock feminino nacional

 

New wave e gótico: 1980

Nos anos 1980, foi a vez do new wave e do rock gótico. O último tinha um ar melancólico, com apreço pelos filmes de terror e um vestuário cheio de peças pretas. Uma de suas representantes foi a banda The Cure.

O new wave, por outro lado, mostrou um lado mais colorido do punk, com sintetizadores. O subgênero fez parte dos repertórios de Talking Heads, Duran Duran e Depeche Mode.

Brian Rasic/Getty Images
The Cure trabalhou o rock gótico nos anos 1980

 

Staff/Daily Record/Mirrorpix/Getty Images
A cantora Siouxsie Sioux (à esquerda) em 1983

 

Paul Hartnett/PYMCA/Universal Images Group via Getty Images
Visual gótico oitentista

 

Michael Ochs Archives/Getty Images
A banda Talking Heads, por outro lado, apostava no new wave, um estilo de rock com sintetizadores que fez sucesso nos anos 1980

 

Peter Noble/Redferns via Getty Images
Depeche Mode fez parte da vertente mais animada do rock

 

O grunge: 1990

Aos poucos, o rock foi ganhando uma paleta mais sóbria. A era 1990s foi marcada pelo grunge, também conhecido como Som de Seattle, cidade berço do subgênero.

De maneira geral, o conteúdo musical tinha como base o desprezo dos jovens pelo estilo de vida comercial dos subúrbios. As calças jeans rasgadas, cardigãs velhos, xadrez e tênis com aspecto surrado demonstravam esse desinteresse.

Nirvana, Pearl Jam, Soundgarden, Alice in Chains e Hole (comandada por Courtney Love) foram algumas das bandas mais influentes e populares do período. O momento também foi bom para bandas punk formadas na década de 1980, como Green Day e The Offspring.

 Frank Micelotta Archive via Getty Images
Kurt Cobain gostava de peças como este cardigã da foto, com cara de antigo

 

Ron Galella, Ltd./Ron Galella Collection via Getty Images
O visual grunge, subgênero do rock que o Nirvana ajudou a popularizar, tinha peças rasgadas e com aspecto usado

Kate Moss foi uma das celebridades rockers dos anos 1990. A supermodelo fugia dos padrões convencionais. Era considerada baixa e tinha uma atitude alternativa. Contudo, seu charme estava justamente nesse diferencial.

Outra que marcou com estilo rocker foi a atriz Winona Ryder, hoje famosa pelo papel de Joyce Byers, na série Stranger Things. Ela adorava usar preto, especialmente peças de couro e vestidos. Lábios em cores escuras e calças jeans de cintura alta também eram recorrentes nos looks da musa de Marc Jacobs.

O estilista, inclusive, causou alvoroço em 1992 com a coleção Grunge (verão 1993), para a marca Perry Ellis. “Na época, nós pegamos camisas de flanela que eram vendidas a US$ 2 e as fizemos em seda, transformando algo banal em fashion, mas as pessoas se ofenderam com isso”, declarou, no ano passado.

A polêmica levou a sua demissão do cargo, mas virou fonte de inspiração 25 anos depois. Em 2018, Jacobs fez uma readaptação do compilado.

Em 1992, Naomi Campbell foi uma das modelos responsáveis por exibir o trabalho na passarela. “Eu usei este visual 25 anos atrás! Estou honrada de vesti-lo novamente! Marc Jacobs Grunge”, publicou a top model no Instagram, sobre o lançamento.

Jim Smeal/Ron Galella Collection via Getty Images
Kate Moss tinha uma vibe mais alternativa e fugia dos padrões convencionais das supermodelos

 

Ke.Mazur/WireImage via Getty Images
No entanto, seu charme estava justamente no glamour rock’n’roll

 

Ron Galella, Ltd./Ron Galella Collection via Getty Images
Winona Ryder foi uma das jovens atrizes queridinhas dos anos 1990

 

Ron Galella, Ltd./Ron Galella Collection via Getty Images
A atriz adorava produções com uma pegada rocker

 

Indie rock: 2000

Os anos 2000 mantiveram influências de 1990 e incorporaram elementos de outras décadas, como o indie rock dos anos 1970, abraçado pelos grupos The Strokes e The Killers. Um dos principais estilos desse período foi o pop punk. Simple Plan, Blink-182, My Chemichal Romance, Panic! at The Disco e Fall Out Boy conquistaram toda uma geração. O new metal, som das bandas Linkin Park, System of a Down e Slikpnot, também fez sucesso por apostar em elementos de rap e hip-hop.

O vestuário dessa época teve calças retas, gravatas, peças camufladas, bastante preto e camisetas estampadas.

A baiana Pitty surgiu como um dos destaques do rock nacional contemporâneo. Seu estilo inicial era o retrato da época, com munhequeiras, pulseiras, maquiagem pesada e mix de peças como blusa e saia de tule. No cenário internacional, a popstar canadense Avril Lavigne ganhava evidência com um visual similar. Ao final da década, a cantora brasileira adotou uma estética com influência pin-up.

Stephen Lovekin/FilmMagic via Getty Images
My Chemical Romance foi uma das bandas que fizeram sucesso entre o público de pop punk nos anos 2000. Os integrantes da banda gostavam de usar roupas pretas e maquiagem

 

Scott Gries/Getty Images
Integrantes do Simple Plan com camisas pretas estampadas

 

Frank Micelotta/Getty Images
Avril Lavigne, em 2002, com o estilo skater girl do início de sua carreira

 

Reprodução/Instagram/@pitty
A cantora Pitty é um dos nomes do rock nacional desde o início dos anos 2000

 

A era hipster: 2010

Com a chegada dos anos 2010, o estilo hipster colocou o indie rock novamente nos holofotes. Artistas com pegada underground flertaram com o público mainstream e se popularizaram entre os jovens alternativos.

No meio pop, a cantora e modelo Sky Ferreira conquistou o público millennial com seu estilo grunge e um som eletrônico próximo do new wave.

Os fios platinados com raiz bem aparente, as olheiras marcadas e o delineado a transformaram em uma musa do Tumblr. Sky estrelou campanhas para a Saint Laurent, Jimmy Choo e Maison Kitsuné.

Gilbert Carrasquillo/FilmMagic
Sky Ferreira chamou atenção da geração millennial com seu estilo grunge

 

Craig Barritt/Getty Images for Workhouse
Xadrez, camiseta oversized e calça larga

 

Reprodução/Saint Laurent
Sky Ferreira para o Pre-fall 2013 da Saint Laurent

 

Ícones modernos: 2019

Atualmente, algumas personalidades jovens ajudam a perpetuar o mood rocker. Taylor Momsen, vocalista e líder da banda The Pretty Reckless, começou a carreira musical em 2009 com um visual semelhante ao de Cherie Currie (The Runaways). Isso inclui lingeries, cinta-liga e meias 7/8 nas performances ao vivo. No entanto, hoje em dia, a artista opta por visuais mais discretos e básicos.

Hayley Williams, um dos grandes nomes do pop punk dos anos 2000 com a banda Paramore, foi um ícone de estilo para a Geração Y. Em 2017, adotou um visual mais pop para a turnê do álbum After Laughter, com forte influência do new wave dos anos 1980. A indie rocker Alisson Mosshart, da dupla The Kills, é outra adora uma pegada grunge.

Marc Piasecki/WireImage
Nos primeiros anos de sua banda, The Pretty Reckless, a cantora Taylor Momsen adorava misturar lingeries em seus visuais. O detalhe lembrava Cherie Currie, da banda The Runaways

 

Michael Ochs Archives/Getty Images
Cherie Currie performando em Los Angeles, no ano de 1977, com The Runaways

 

Jason Squires/Getty Images
Nos últimos anos, no entanto, Taylor Momsen deixou de mostrar tanta pele

 

Matthew Simmons/WireImage via Getty Images
Hayley Williams em 2007. A vocalista da banda Paramore foi uma das vozes femininas da geração pop punk dos anos 2000

 

View this post on Instagram

from the same folder. by @phojoh

A post shared by paramore (@paramore) on

Um dos estilistas atuais que mais investem no estilo rocker é o francês Hedi Slimane, atual diretor-criativo da Celine. Quando assumiu a direção-artística da marca, causou polêmica por fugir do DNA tradicional e acrescentar bastante preto, terninhos slim, vestidos oitentistas e um visual à la Geração Z. Durante seu trabalho na Saint Laurent, apresentou coleções com elementos que remetiam a ídolos do rock, como Siouxsie Sioux e Kurt Cobain.

Getty Images
O estilista francês Hedi Slimane é um dos que mais gostam da pegada rocker

 

Getty Images
Ele reformulou a Celine quando assumiu a direção-criativa da marca, em 2018. Antes, havia feito algo similar na Saint Laurent

 

Getty Images
O resultado gerou críticas, mas teve bastante influência rocker, com muito preto e peças de couro

 

Colaborou Hebert Madeira

Últimas notícias