*
 
 

O rock n’ roll é conhecido pela rebeldia e pelo olhar antifashion quando se fala de moda. Mas a verdade é que esse gênero de música transformou-se em estilo e deixou um legado inegável.

Em meados do século 20, o conservadorismo ainda era gritante, mesmo com todas as transgressões e quebras de valores ocorrendo na época. Garotas que conseguiram espaço no meio artístico tornaram-se verdadeiras lendas da contracultura. O rock ganhou um sex appeal feminino. Maquiagem escura, sobreposições, jaquetas de couro, estampa leopardo e, claro, muitos hits estabeleceram o espaço das cantoras dentro do universo fashion.

O final dos anos 1970, particularmente, trouxe o protagonismo feminino aos palcos. Na época, os padrões vigentes eram o oposto da liberdade que brotava dos jovens daquela década. Integrantes da banda The Runaways e vocalistas como Debbie Harry e Siouxsie Sioux representavam com muito talento e uma personalidade forte e fashion uma geração e uma nova forma de ver as coisas: é possível ter estilo, atitude e ainda abusar da rebeldia.

Vem comigo e conheça as musas do rock!

 

Alison Mosshart
A cantora e guitarrista americana é a rocker mais cool do momento. Cheia de atitude, ela carrega a voz das bandas The Kills — ao lado de Jamie Hince, ex-marido de Kate Moss — e Dead Weather, trabalhando com Jack White. Antes de se destacar no cenário indie, emprestava seus talentos para pequenos grupos.

Sempre com uma jaqueta de couro, o estilo da cantora de 39 anos traz elementos da cena underground contemporânea com pitadas de grunge. Calça skinny, bota e camisas estampadas são a cara dela.

Getty Images

Alison tem uma pegada fashionista moderna, sem abandonar as clássicas referências góticas, como o tom vinho do cabelo

 

Getty Images

A cantora diz ter dezenas de jaquetas de couro — peça-chave do guarda-roupa dela e do meu

 

Getty Images

Dois itens que Alison adora: jaqueta de couro e camisa estampada

 

Getty Images

O colete jeans trás um elemento biker que combina muito bem com o rock

 

Debbie Harry
Primeiro sex symbol do rock, a americana Debbie Harry lidera até hoje a banda Blondie, que estourou em 1978 com o disco Parallel Lines. O título do grupo é inspirado no apelido da própria cantora, Deborah Ann Harry, com seus fios platinados e irregulares, eternizados por Andy Warhol na cultura pop.

A transição do punk para uma pegada mais new wave, com o passar dos anos, a deixou mais colorida. Em visuais bem femininos, Debbie passou a marcar a silhueta e ousou com peças curtas e cheias de brilho.

Esse toque glam marcou bastante o estilo dela, que preserva a vaidade até hoje, aos 73, sem o menor problema em dizer ser uma adepta das cirurgias plásticas.

Getty Images

Debbie Harry na onda new wave

 

Getty Images

Durante a fase mais punk, Debbie apostava no preto e nas peças coladas

 

Getty Images

Debbie e a combinação camiseta e calça skinny

 

Getty Images

Tops decotados e botas over the knee ajudaram a transformar Debbie Harry no primeiro símbolo sexual do rock

 

Joan Jett
Os jumpsuits eram comuns no guarda-roupa das garotas do The Runaways, sucesso com quatro álbuns entre 1976 e 1978. Entre elas, destacou-se Joan Jett, que hoje, com quase 60 anos, preserva a energia e a jovialidade de quando tinha 20. A carreira solo a partir dos anos 1980 a consolidou como um dos maiores ícones do gênero, rendendo, inclusive, um lugar no Hall da Fama do rock n’ roll, honraria conquistada em 2015.

A roqueira ousava com mullets, olhos carregados, correntes e calças de couro. Gostava de lenços no pescoço e completava os looks — quase sempre camisetas — com blazers coloridos ou leather jackets. A maquiagem também foi se adaptando ao tempo: blush rosa e sombra lilás marcaram o visual de Joan nos anos 1980.

Getty Images

Joan Jett em um dos clássicos jumpsuits que eram febre entre as garotas do The Runaways

 

Getty Images

Nos 80’s, Joan teve uma vibe mais colorida e o cabelo estilo David Bowie. O lenço em leopard print nunca sai de moda

 

Getty Images

Joan usou muitos lenços no pescoço e gravatas com camiseta entre os 70’s e 80’s

 

Getty Images

Homenagem da cantora em 1984 ao 4th of July, Dia da Independência dos Estados Unidos

 

Em 2014, em colab com a marca Hot Tropic, a vocalista fez uma aposta com a primeira coleção fashion.

 

Siouxsie Sioux
Se houve um mix notável entre o punk e o gótico, esse exemplo vivo é Siouxsie Sioux. Hoje, com 61 anos, a rainha do pós-punk trouxe o melhor das duas subculturas quando transitou de uma para outra na jornada com as bandas Siouxsie and the Banshees — a mais famosa — e The Creatures.

O famoso delineado cat do estilo vamp virou uma marca registrada. A maquiagem com ares Cleópatra numa versão mais obscura, junto com o cabelo, que trazia influência do camaleão David Bowie, completam o visual da cantora. Fora tudo isso, ela já era uma representante da onda feminista pela liberdade dos pêlos e mamilos expostos: uma verdadeira riot girl.

Siouxsie trazia o estilo clássico das punks, com meias e luvas arrastão e peças fetichistas, normalmente compradas em sex shops pelas garotas da tribo. Ela estreou como modelo aos 16 anos, para a loja Sex, de Vivienne Westwood e Malcolm McLaren. A grife ficou conhecida como fashion point do movimento.

Getty Images

Siouxsie Sioux é um grande exemplo de mistura do estilo punk com o goth dos anos 1980

 

Getty Images

Ousava com uma versão bem dark da maquiagem estilo Cleópatra

 

Getty Images

O cabelo punk de Siouxsie Sioux era puro estilo

 

Getty Images

É referência do estilo gótico até hoje

 

Em 2010, Saint Laurent trouxe a vibe da cantora para as passarelas da coleção Outono/Inverno 2015.

 

Patti Smith
O punk passou por uma vibe intelectual e foi Patti Smith a responsável por isso. Conhecida por um visual andrógino e mais simples que as outras desta lista, Patti, além da música, acumula trabalhos fotográficos e literários no currículo. Estreou em 1975 com o disco Horses, e o último é Banga, de 2012, o 11º da discografia.

T-shirts, camisas, cardigãs e os cabelos sempre largados compõem o “estilão” da cantora. A roqueira chegou a revelar em entrevista que, se pudesse, usaria o mesmo look todos os dias: calças corduroy e camisa de marinheiro.

Getty Images

A sobreposição de casacos trazia um toque chic e intelectual a Patti

 

Getty Images

A simplicidade marcava o visual de Patti Smith, uma artista sexy e descolada

 

Getty Images

Patti divertida com seu estilo simples

 

Getty Images

Patti adora a combinação de camiseta e calça

 

Janis Joplin
Uma perda triste para a maldição dos 27, que levou lendas como Kurt Cobain, Amy Winehouse e a nossa Janis Lyn Joplin, texana nascida em 1943. A maior voz feminina do rock psicodélico sessentista começou enraizada no folk até se aventurar com o blues e soul, ritmos de suas grandes influências.

Dona de uma voz rouca e inesquecível, ela exibia elementos ciganos e boho da moda hippie. Estampas com padronagens psicodélicas e tie dye em tecidos leves e folgados, além de calças pantalonas, compunham o look da super cantora.

Ícone da contracultura, foi uma das artistas que se apresentaram no terceiro dia do festival Woodstock, assim como Jimi Hendrix, The Who e Johnny Winter. Deixou quatro álbuns de estúdio, sendo um deles póstumo, lançado seis meses depois da morte de Janis, em 4 de outubro de 1970, por overdose de heroína.

Getty Images

Os colares e as camisas coloridas quase sempre surgiam no visual da cantora

 

Getty Images

O estilo boho dos anos 1960, a cara de Janis Joplin, hoje influencia os outfits das garotas em festivais, como o Coachella

 

Getty Images

Janis se vestia de um jeito bem confortável e leve

 

Getty Images

Janis em um visual bem hippie

 

Rita Lee
A musa brasileira de fios alaranjados, uma inconfundível franja reta e óculos coloridos não poderia ficar de fora. Hoje, aos 70, Rita Lee tem atitude e irreverência de sempre e mantém um legado de 50 anos como a maior roqueira da música brasileira.

Antes de seguir carreira solo, entrou no rock psicodélico com Os Mutantes, banda da qual fez parte entre 1966 a 1972. Desde então, foi uma grande camaleoa e flertou com outras vertentes musicais, como disco e MPB.

Ficou conhecida por usar a moda como forma de expressão. Um mix entre o punk e o hippie define o estilo alegre, lúdico e colorido com um quê andrógino.

Divulgação

Rita Lee com Os Mutantes, banda da qual fez parte entre 1966 e 1972. O vestido de noiva era figurino de Leila Diniz na novela O Sheik de Agadir (1966)

 

Divulgação/Rita Lee

A musa do rock brasileiro adora camisas em tecidos leves, cheias de estampas

 

Divulgação/Rita Lee

Excêntrica, a cantora abusava das cores em seus looks divertidos

 

Divulgação/Rita Lee

Alegre, irreverente e psicodélica

 

Divulgação/Rita Lee

Outro item fundamental no visual de Rita são os óculos coloridos

 

Divulgação/Rita Lee

A franja reta e o cabelo vermelho são sua marca até hoje. Aparecem, inclusive, na capa da autobiografia

 

Divulgação/Rita Lee

A cantora trouxe cores irreverentes para o rock nacional

 

Divulgação/Rita Lee

Rita Lee vestia o look cheio de transparência e brilho

 

Confira mais fotos na galeria:

Para outras dicas e novidades sobre o mundo da moda, não deixe de visitar o meu Instagram. Até a próxima!

Colaborou Hebert Madeira



 


modajanis joplinRita LeepunkDia Mundial do RockRock n rollDebbie HarryJoan JettSiouxsie SiouxPatti SmithGoth