Prada assina acordo de milhões de euros pela sustentabilidade

O empréstimo com o Grupo Crédit Agricole é exemplo para o setor de luxo. Os juros diminuem à medida que metas são cumpridas

Divulgação/PradaDivulgação/Prada

atualizado 08/11/2019 15:34

A necessidade de mudanças para garantir a sobrevivência dos recursos naturais da Terra está cada vez mais alarmante. Na moda, um dos setores mais poluentes e prejudiciais ao meio ambiente, essas transformações são essenciais. Aos poucos, o mercado de luxo vem se adequando aos avanços. Nesse sentido, a Prada assinou um acordo histórico, que demonstra o interessante em realmente cumprir práticas de sustentabilidade.

Vem comigo entender!

Divulgação/Prada

A marca pegou um empréstimo de 500 milhões de euros ao longo de cinco anos. Firmada com o Grupo Crédit Agricole, a negociação é essencialmente destinada a práticas que reduzam o impacto ambiental e ações de revitalização.

“A transação demonstra que a sustentabilidade é um elemento-chave para o desenvolvimento do Grupo Prada e, cada vez mais, integrado à nossa estratégia”, frisou Alessandra Cozzani, chief financial officer e diretora-executiva da empresa.

“Estamos confiantes que a colaboração com o Crédit Agricole, um líder em seu setor, ajudará a estender os benefícios de um negócio responsável para o mundo financeiro”, completou a CEO em comunicado oficial.

O acordo tem cláusulas de reduções de juros ligados diretamente a metas ecológicas. À medida que os objetivos forem cumpridos, os valores anuais vão diminuindo.

Divulgação/Prada
A Prada está empenhada na sustentabilidade

 

Divulgação/Prada
O acordo milionário marca um grande passo para a grife

 

Os parâmetros para medir os objetivos alcançados pela Prada ainda não foram totalmente definidos. “A novidade será encontrar uma maneira de mensurá-los de maneira tangível”, comentou Alberto Bezzi, representante do Crédit Agricole.

Por enquanto, os três principais propósitos acertados pela empresa de crédito são: um limite de tempo de trabalho para funcionários da companhia; análise da quantidade de produção do substituto sustentável do nylon lançado pela grife; e o número de lojas Prada que recebem certificados LEED – Leadership in Energy and Environmental Design – de platina ou ouro.

A iniciativa é a primeira no setor fashion de luxo. Contudo, de acordo com o Environmental Finance, a tendência é que esse tipo de financiamento fique mais comum. Em geral, os dados mostram que o mercado de empréstimos ligados à sustentabilidade cresceu de US$ 5 bilhões em 2017 para US$ 40 bilhões em 2018.

Divulgação/Prada
A ideia é que, ao longo de cinco anos, a etiqueta alcance avanços significativos em prol do meio ambiente

 

Há meses, a Prada entrou em uma onda real de comprometimento com a fauna e a flora. O primeiro passo relevante em 2019 foi o fim do uso de peles animais nas confecções.

Depois de pedidos de clientes e reivindicações constantes nas redes sociais, em maio, a etiqueta anunciou que aderiu ao movimento fur free. Desde a coleção de primavera/verão 2020, a grife italiana passou a investir em materiais alternativos.

Catwalking/Getty Images
A Prada aderiu ao movimento fur free recentemente

 

Catwalking/Getty Images
A empresa continuou vendendo apenas as peças com pelo que já tinha sido produzidas e estavam em estoque

 

Andreas Rentz/Getty Images
A coleção apresentada na primavera/verão 2020 foi a primeira depois da decisão

Recentemente, a label comandada por Miuccia Prada também lançou uma linha em parceria com a Aquafil, empresa especializada na produção de fibras sintéticas. O projeto, batizado de Re-Nylon, inclui peças feitas com uma espécie de nylon ecológico. O material é desenvolvido por meio do processo de reciclagem e com materiais de descarte e resíduos plásticos coletados nas águas.

“A produção de fios Econyl ajuda a financiar um trabalho valioso para limpar oceanos, reduzir o aterro têxtil e aumentar a sustentabilidade na criação de moda, minimizando o desperdício. Também fornece emprego e renda para comunidades em todo o mundo”, explicou a Prada nas redes sociais.

Em colaboração com o National Geographic, a grife também produziu uma série de vídeos curtos sobre o Re-Nylon. A ideia foi conscientizar o público em relação à importância da iniciativa.

 

Divulgação/Prada
A grife italiana lançou uma linha com nylon reciclado

 

Divulgação/Prada
A ideia do projeto Re-Nylon é não tirar nada do meio ambiente, mas sim, devolver, com o reaproveitamento

 

Divulgação/Prada
Produtos clássicos da label são feitos com o material

 

Divulgação/Prada
A iniciativa foi desenvolvida em colaboração com a Aquafil

 

Nesta sexta-feira (08/11/2019), a Prada vai realizar a conferência Shaping a Sustainable Future Society, em Nova York. Será a terceira edição do evento, que discute questões éticas no local de trabalho.

 

Colaborou Rebeca Ligabue

SOBRE O AUTOR
Ilca Maria Estevão

Bacharel em psicologia pela Universidade Georgetown, em Washington D.C. (EUA). É apaixonada por moda e acompanha toda movimentação no universo fashion.

Últimas notícias