O “couro vegano” do momento é feito de cactos! Conheça o Desserto

Ecológico e durável, o material desenvolvido no México por dois empresários promete ser uma alternativa para a indústria da moda

atualizado 21/11/2019 17:30

Reprodução/Instagram/@desserto.pelle

A indústria do couro animal é conhecida por ser uma grande poluente. As alternativas sintéticas, geralmente feitas de material plástico, liberam microplásticos quando desgastam. Por isso, opções feitas à base de plantas têm dado novas possibilidades ao mercado. Uma delas é o Desserto, imitação de couro feita a partir de cactos e produzida no México. Desenvolvida pelos jovens empresários Adrián López e Marte Cázarez, a novidade é parcialmente biodegradável, respirável e dura ao menos 10 anos.

Vem comigo conferir!

Batizado de Desserto, o projeto utiliza como matéria-prima o nopal, uma espécie de cacto achatado, de formato ovalado e bem conhecido no México, onde existe em abundância. A planta não precisa ser irrigada nem exige cuidados durante o crescimento. Até chegar ao produto atual, os empresários, ambos de 27 anos, passaram dois anos realizando testes com o vegetal. Tecnologias de outros países, como as imitações de couro à base de casca de maçã e folhas de abacaxi, serviram de referência.

A dupla trabalhou para manter a qualidade técnica e ainda assim oferecer uma alternativa cruelty-free, sem produtos químicos tóxicos ou PVC. “Nosso couro vegano de cacto é projetado e desenvolvido com intuito de atender aos padrões mais rigorosos da aeronáutica e até da indústria da moda”, define o site oficial do projeto. Pelo fato de ser “respirável”, devido à composição orgânica, assemelha-se ao produto de origem animal.

O resultado final é produzido à base de nopal e algodão, com diferentes opções de espessura. Cada metro custa cerca de US$ 25. No início de outubro, os empreendedores levaram a novidade a uma exposição de couros e acessórios de Milão, a Feira Internacional do Couro Lineapelle.

Reprodução/Instagram/@desserto.pelle
Lançado neste ano, o Desserto se junta à gama de opções de imitações de couro à base de plantas

 

Reprodução/Instagram/@desserto.pelle
O material é parcialmente biodegradável, respirável e dura pelo menos uma década

 

Reprodução/Instagram/@desserto.pelle
A novidade é produzida a partir do cacto nopal, planta bem comum no México que não precisa ser irrigada nem cuidada ao longo da vida

 

Reprodução/Instagram/@desserto.pelle
Um analista da feira Lineapelle, realizada há algumas semanas em Milão, disse que o produto é ideal para confecção de itens de luxo

 

Reprodução/Instagram/@desserto.pelle
A textura é bem similar à do couro de origem animal

 

Duas experiências e um desejo em comum fizeram Adrián e Marte unirem forças neste projeto. Um atuava na indústria de móveis e depois na automotiva, enquanto outro trabalhava com moda, mas ambos se preocupavam com a poluição do meio ambiente. “Estávamos genuinamente interessados ​​em reduzir o impacto ambiental, por isso decidimos deixar nossos empregos e iniciar a Adriano Di Marti, uma empresa focada no desenvolvimento do Desserto”, disse Adrián ao Fashion United.

Na entrevista, ele revelou também que a empresa cultiva dois hectares de nopals, com potencial de expansão para mais 40. A capacidade de produção é de 500 mil metros lineares mensais. O cultivo, por sua vez, gera trabalho e renda para os agricultores locais. Na indústria da beleza, o nopal é utilizado para produzir xampus e cremes.

Entre todos os produtos apresentados na Lineapelle, um especialista da feira destacou o Desserto como a opção mais adequada para o mercado de luxo, graças a detalhes como suavidade, elasticidade e cor. A propósito, o material fez sucesso entre designers e representantes da indústria. Contudo, Adrián informa que a pesquisa e o desenvolvimento ainda não foram finalizados, apesar de já terem projetos encaminhados em diferentes setores. Será que veremos, em breve, alguma it bag feita com “couro de cacto”?

Reprodução/Instagram/@desserto.pelle
Marte Cázarez e Adrián López, criadores da empresa Adriano Di Marti, responsável pela produção do Desserto

 

Reprodução/Instagram/@desserto.pelle
Será que veremos it bags feitas com “couro vegano de cactos”?

 

Reprodução/Instagram/@desserto.pelle
Foto com detalhes da textura

 

Reprodução/Instagram/@desserto.pelle
O Desserto é inspirado em outras imitações de couro feitas à base de plantas, como o Piñatex (de abacaxi)

 

Reprodução/Instagram/@desserto.pelle
A novidade promete economia de água e redução no desperdício de plástico

 

Se o material for incorporado às principais linhas de produção das marcas, o executivo prevê uma economia de 20% de água, além da diminuição de 32% a 42% no desperdício de plástico. Segundo ele, a quantidade de água utilizada atualmente pela indústria fashion encheria quase 32 milhões de piscinas olímpicas.

“É o momento certo para oferecer essa alternativa, porque não apenas as indústrias de consumo estão interessadas em novos materiais como esses mas também cada vez mais consumidores finais estão exigindo materiais ecológicos”, completou Adrián ao Fashion United.

Com a experiência da feira, a dupla concluiu que o mercado europeu já está pronto para incorporar a alternativa sustentável a seus produtos. No entanto, o acesso de pequenos e médios produtores ainda é uma barreira, já que as compras de quantidades mínimas podem ser uma dificuldade. Felizmente, a empresa tem trabalhado com fornecedores para facilitar o acesso ao material.

Reprodução/Instagram/@desserto.pelle
Atualmente, a empresa trabalha com de dois hectares, com possibilidade de expansão para 40

 

Reprodução/Instagram/@desserto.pelle
Detalhe com o logotipo do Desserto

 

Reprodução/Instagram/@desserto.pelle
A alternativa agradou a designers e pessoas da indústria fashion na Feira Internacional do Couro Lineapelle, no início de outubro

 

Reprodução/Instagram/@desserto.pelle
Detalhes como suavidade, elasticidade e cor estão entre os pontos positivos do Desserto. Sem falar que o material é “respirável”, assim como o couro de origem animal

 

Reprodução/Instagram/@desserto.pelle
Para Adrián, um dos responsáveis pelo projeto, a indústria da moda pode contar com a criatividade para oferecer formas de consumo mais sustentáveis

 

Para Adrián, a indústria da moda tem uma carta na manga quando o assunto é trazer mudanças nas formas de consumo: a criatividade. “Com o apoio de tecnologias e inovações, a moda tem talento, redes, financiamento e todos os recursos necessários para a transformação”, acrescentou. Vale lembrar que, no Brasil, é proibido por lei comercializar produtos com a palavra “couro” se estes não forem obtidos exclusivamente da pele animal.

Alternativas sustentáveis já são uma demanda do consumidor final. Em estudo divulgado recentemente, a plataforma Lyst revelou que as procuras de palavras-chave relacionadas ao tema aumentaram 75% neste ano; sem falar nas buscas por materiais específicos, como econyl e algodão orgânico.

Colaborou Hebert Madeira

Últimas notícias