Modelo plus size estrela campanha de collab da Victoria’s Secret

Segundo Ali Tate-Cutler, ela é a primeira manequim em sua faixa de tamanho a estampar imagens para a marca de lingeries

Reprodução/InstagramReprodução/Instagram

atualizado 09/10/2019 7:50

Não é novidade que a Victoria’s Secret é criticada por insistir em um casting com modelos magras e altas. Agora, parece estar atendendo aos pedidos do público por mais diversidade… ou quase isso. Depois de assinar contrato com uma jovem trans, a marca finalmente tem uma modelo tamanho 46 estampando os banners de suas lojas. Ali Tate-Cutler é uma das estrelas de parceria da VS com a etiqueta londrina Bluebella, conhecida pelas campanhas inclusivas.

Vem comigo!

Com a colaboração, anunciada na última sexta-feira (04/10/2019), a Victoria’s Secret venderá peças do outono/inverno 2019 da label britânica no e-commerce e em lojas selecionadas dos Estados Unidos e Reino Unido. A coleção, intitulada Bluebella for Victoria’s Secret, é estrelada por quatro modelos. Uma delas é Ali Tate-Cutler, que aproveitou para comentar o fato de, possivelmente, ser a primeira modelo em sua faixa de tamanho a estrelar uma campanha da VS.

“Acredito que sou a primeira modelo tamanho 14 [medida dos EUA, equivalente ao 46] na Victoria’s Secret. Independentemente disso, estou muito feliz por trabalhar com uma marca que idolatrava quando era adolescente. Grande passo na direção certa para [todos] os corpos”, publicou.

O site Business Insider entrou em contato com a VS para confirmar se, de fato, a própria marca havia contratado a jovem. Diferentemente do noticiado pela imprensa nos últimos dias, um porta-voz disse que “ela foi contratada pela Bluebella e que seu futuro envolvimento com a Victoria’s Secret é desconhecido neste momento”.

Porém, existe a colaboração entre as duas etiquetas, o que pode significar uma mudança de estratégia da VS, tão criticada pela falta de diversidade. No comunicado à imprensa, a label descreveu a parceira britânica como uma iniciativa que defende “o amor próprio, a autoaceitação e a individualidade”.

Reprodução/Instagram/@ali_tate_cutler
Ali Tate-Cutler na campanha da marca londrina Bluebella em colaboração com a Victoria’s Secret

 

Reprodução/Instagram/@bluebella
A modelo, considerada plus size, posa com outras três para as imagens da campanha

 

Reprodução/Instagram/@ali_tate_cutler
Segundo Ali, ela é a primeira modelo tamanho 46 a estrelar uma campanha da VS

 

Reprodução/Instagram/@ali_tate_cutler
Para ela, ter imagens suas nas butiques da marca é uma mensagem inspiradora

 

Reprodução/Instagram/@bluebella
Uma das lojas da Victoria’s Secret com as peças da Bluebella

 

Ao site E! Online, Ali disse que se sente confortável com o termo plus size e acha inspirador ter imagens suas nas paredes das lojas. Para ela, a marca está indo na direção certa ao ouvir os pedidos do público por mulheres mais diversas em formas e tamanhos.

“Eu sei que não sou a primeira modelo body positive [a trabalhar com a marca], mas sou a primeira modelo de tamanho 12-14. O 14 é, na verdade, o tamanho médio das mulheres na América e eu acho que precisamos ver mais na mídia e na moda”, opinou.

“Quando uma garota entra na loja e pode ver um corpo como o meu, ela fica tipo: ‘Ela parece comigo e eu quero comprar isso agora’. Sinto-me tocada por poder ser parte dessa jornada para alguém”, comentou Ali em um vídeo publicado no Instagram Stories pela VS.

Reprodução/Instagram/@ali_tate_cutler
Modelo plus size estrela campanha de collab da Victoria’s Secret

 

Reprodução/Instagram/@ali_tate_cutler
Ali tem um podcast chamado The Love You Give, no qual aborda amor próprio e equilíbrio mental

 

Ali tem mais de 126 mil seguidores no Instagram e é representada pelas agências Muse, MiLK Model Management e Modelwerk. Feminista, defensora da natureza e dos direitos dos animais, ela organiza um podcast chamado The Love You Give. Nele, aborda temas como amor próprio e equilíbrio mental em entrevistas com pessoas de várias áreas. A californiana já fez trabalhos para labels como Anthropologie, J Crew, Mango e Ralph Lauren.

Reprodução/Instagram/@ali_tate_cutler
Ali no lançamento da parceria da VS com a Bluebella

 

Reprodução/Instagram/@victoriassecret
Emily Bendell, fundadora e CEO da Bluebella

 

Reprodução/Instagram/@victoriassecret
Emily e Ali no lançamento da collab, nos Estados Unidos

 

Reprodução/Instagram/@bluebella
O lançamento nos EUA foi no último dia 4. Nas lojas londrinas, as peças desembarcarão no dia 11

 

Reprodução/Instagram/@bluebella
Mais detalhes das peças Bluebella for VS

 

Emily Bendell é fundadora e CEO da etiqueta londrina Bluebella, criada em 2005. A ideia da nova coleção é redefinir a sensualidade com detalhes fashion, tecidos luxuosos e silhuetas únicas.

“É uma celebração de todos e uma declaração de missão para as mulheres usarem lingeries bonitas para si. Aqui na Bluebella, pretendemos recuperar o espaço e a sensualidade, criando lingeries de mulheres para mulheres, com o poder e a independência no centro de nossos projetos direcionais e liderados por moda”, publicou a marca.

As peças chegaram às lojas americanas da VS no último dia 4 e desembarcam nas butiques de Londres a partir do dia 11.

Dimitrios Kambouris/Getty Images for Victoria's Secret
A contratação das Angels Alexina Graham e Barbara Palvin, no início do ano, gerou polêmica pela falta de representatividade. Depois disso, mais dois nomes entraram no squad: Leomie Anderson e Graze Elizabeth

 

Kevin Mazur/Getty Images for Victoria's Secret
Nos anos 1990 e 2000, tornar-se uma angel era sinônimo de status

 

Polêmicas da Victoria’s Secret

A falta de representatividade de mulheres plus size, não brancas e trans, além do marketing sexualizado, estão entre as principais reclamações que a VS vem sofrendo. Isso levou as consumidoras a optarem por etiquetas mais inclusivas, como Savage x Fenty e Third Love.

Ainda no ano passado, comentários do então diretor de marketing da grife, Ed Razek, causaram polêmica. Questionado pela Vogue sobre a falta de mulheres plus size e modelos trans na passarela, ele respondeu que “o show é uma fantasia. É um especial de 42 minutos com função de entreter”.

Já em agosto deste ano, Razek deixou o cargo na empresa, dias depois da contratação da primeira modelo transexual pela marca de lingeries, a brasileira Valentina Sampaio.

Colaborou Hebert Madeira

SOBRE O AUTOR
Ilca Maria Estevão

Bacharel em psicologia pela Universidade Georgetown, em Washington D.C. (EUA). É apaixonada por moda e acompanha toda movimentação no universo fashion.

Últimas notícias