Meghan Markle é editora convidada na edição de setembro da Vogue UK

A duquesa de Sussex reuniu 15 mulheres para que elas mostrassem suas perspectivas e desejos de mudança para o mundo

Max Mumby/Indigo/Getty ImagesMax Mumby/Indigo/Getty Images

atualizado 29/07/2019 23:14

Historicamente, setembro é o mês de maior relevância para a indústria fashion: além de acontecer grandes desfiles, revistas de todo o mundo preparam a edição mais elaborada e simbólica do ano.

Também é fato que atuar em prol da igualdade está sempre em alta e, em 2019, a Vogue do Reino Unido reuniu 15 mulheres envolvidas em diferentes causas para estamparem as páginas da revista. A publicação, batizada de Forças de Mudança, reuniu personalidades com opiniões fortes e que fazem a diferença no mundo. Escolhidas por ninguém menos do que a duquesa de Sussex, Meghan Markle, editora convidada desta edição, essas mulheres têm muito a dizer.

Vem comigo saber mais!

 

Meghan Markle agradeceu a oportunidade de trabalhar durante meses nos bastidores da revista. “Foi gratificante, educativo e inspirador”, declarou a duquesa de Sussex no Instagram.

“Estou feliz em poder compartilhar o que criamos. Um enorme obrigado a todos os amigos que me apoiaram”, disse.

Max Mumby/Indigo/Getty Images
Para estampar as capas da revista, Meghan Markle escolheu mulheres que geram impacto positivo no mundo

 

As convidadas atuam em variadas áreas. Entre elas, estão modelos, refugiadas, ativistas, atletas, escritoras, políticas e atrizes.

As escolhidas foram Jameela Jamil, Laverne Cox, Adwoa Aboah, Adut Akech, Ramla Ali, Jacinda Ardern, Christy Turlington Burns, Sinéad Burke, Gemma Chan, Jane Fonda, Salma Hayek Pinault, Francesca Hayward, Chimamanda Ngozi Adichie, Yara Shahidi e Greta Thunberg.

Reprodução/Vogue UK
Capa da Vogue UK, editada por Meghan Markle

 

Desafiadas a responder a pergunta “Quais são as mudanças que você quer ver no mundo?”, essas mulheres empoderadas demonstram desejo por mais igualdade, respeito e justiça.

A modelo Adut Akech, por exemplo, torce para que os imigrantes sejam vistos com outros olhos. “Quero ajudar as pessoas a entenderem que os refugiados são pessoas normais, assim como todo mundo”, declarou a sudanesa nascida em um campo de refugiados.

O anseio por mulheres em cargos de poder é outra discussão recorrente. Jacinda Arden, definitivamente, levanta essa bandeira. A primeira-ministra da Nova Zelândia pede mais representatividade feminina na política. Paralelamente, a atleta e boxeadora Ramla Ali destaca a necessidade de mais mulheres em cargos de chefia no esporte, promovendo mudanças positivas para a categoria.

 

Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images
Em 2018, Adut Akech foi escolhida como Modelo do Ano pelo Models.com

 

Gareth Cattermole/Getty Images
A boxeadora somali Ramla Al conquista cada vez mais espaço

 

Simon Schluter/Fairfax Media via Getty Images
A primeira-ministra da Nova Zelândia também está na Vogue

 

A bailarina Francesca Hayward pediu por uma realidade em que dançarinas negras não sejam questionadas sobre a cor da pele, enquanto Greta Thunberg destacou a busca por um planeta que reconheça as mudanças climáticas e lute contra a crise ecológica.

Chimamanda Ngozi Adichie, escritora, deseja um mundo com “mais histórias de mulheres que são fortes sem serem super-heroínas, que não precisam ser extraordinárias para serem admiráveis”.

Robbie Jack/Corbis via Getty Images
Francesca Hayward usa a dança como forma de expressão

 

Artur Widak/NurPhoto via Getty Images
Greta Thunberg é uma adolescente que luta por causas ambientais

 

Rindoff/Charriau/Getty Images
A nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie é conhecida por obras feministas

 

A falta de diversidade na indústria do cinema e da moda foi o assunto inserido por Gemma Chan. Também convidada, a atriz Laverne Cox destacou a “profunda humanidade que as pessoas transexuais de todos os tipos apresentam”.

Ativista contra a gordofobia e a cultura da dieta, Jameela Jamil aproveitou o espaço para ressaltar o quanto tem aprendido com o I Weigh, programa de entrevistas que ela comanda no Instagram. “Pensei que ajudaria todas essas pessoas a reconhecerem o seu valor, e elas acabaram me ajudando”, disse a atriz.

A palestrante Sinéad Burke e a atriz Jane Fonda também se lembraram das pessoas que são silenciadas. “Precisamos constantemente perguntar quais vozes não estão no mundo, quais perspectivas não estão sendo consideradas, e garantir que a mudança ocorra com o máximo de interseccionalidade possível”, opinou Burke.

Kevin MazurGetty Images for MTV
Jameela Jamil é uma voz ativa no movimento Body Positive

 

Dimitrios Kambouris/Getty Images
Mulher trans, Laverne Cox é uma das figuras mais lembradas quando se fala em inclusão e representatividade

 

David M. Benett/Dave Benett/Getty Images for Michael Kors
Gemma Chan também foi uma das convidadas a participar da september issue da Vogue UK

 

Theo Wargo/WireImage/via Getty Images
Sinéad Burke ficou conhecida quando fez uma palestra na TED sobre diversidade na moda

 

Kevin Winter/Getty Images
Jane Fonda, uma das atrizes mais renomadas da indústria do cinema, também marcou presença na publicação

 

 

A edição também inclui uma conversa de Meghan com a ex-primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, além de uma entrevista com a antropóloga Jane Goodall. A versão completa da september issue da Vogue britânica de 2019 será disponibilizada em 2 de agosto.

 

Colaborou Rebeca Ligabue

SOBRE O AUTOR
Ilca Maria Estevão

Bacharel em psicologia pela Universidade Georgetown, em Washington D.C. (EUA). É apaixonada por moda e acompanha toda movimentação no universo fashion.

Últimas notícias