*
 
 

Quem acha que uniformes de futebol são as únicas peças pensadas para a Copa do Mundo está enganado. Algumas labels fazem parcerias com as seleções e criam looks formais para serem usados pelos jogadores do Mundial em eventos e fotos oficiais.

É a época perfeita para grandes marcas investirem em campanhas e coleções temáticas. Afinal, todos os olhos ficam voltados para o evento, que terá sede na Rússia e estreia no próximo dia 14/6.

Hoje, trago algumas dessas colabs, que combinam elegância com um pouco da personalidade de cada país.

Vem comigo!

via GIPHY

Itália x Dolce & Gabbana

Apesar de a seleção italiana não ter sido escalada para o torneio, ela é geralmente uma das mais elegantes. Vestiu ternos de grife da conterrânea Dolce & Gabbana em 2006, 2010 e 2014.

O estilo foi clássico e clean. Terno preto, camisa branca, gravata e inclusive coletes. Superelegante. Discretos, os detalhes apareceram nas cores da bandeira, em um patch costurado no paletó e na gravata.

 

Reprodução

A gravata carrega as cores da bandeira italiana

 

Reprodução

O terno Dolce & Gabbana deu um toque clássico e elegante para a seleção da Itália em 2014

 

Marks & Spencer x Inglaterra
A Marks & Spencer, maior loja de departamento do Reino Unido, é responsável pelos ternos da seleção inglesa. A parceria acontece desde 2007. Calças, paletós e coletes em azul-marinho combinam com a camisa azul-celeste. A mistura tem uma vibe esportiva e menos elegante. A gravata é larga e, apesar das listras em vinho e branco, aparece na mesma cor do terno, combinando ainda com o lenço. Já não gosto tanto dessa pegada.

Reprodução

Marks & Spencer para a seleção inglesa

 

Reprodução

Marks & Spencer para a seleção inglesa. A camisa em azul-celeste, assim como a gravata, mais grossa, tem uma pegada esportiva

 

Vistula x Polônia
Gostei bastante do estilo dos ternos da seleção da Polônia. A gravata lembra a dos colegas ingleses, mas a produção, como um todo, é mais elegante. O acessório é fino e a camisa é branca. Blazer, colete e calça com riscas de giz trazem ainda mais sofisticação. Outro diferencial é o sapato marrom, que quebra o look de forma despojada. Adorei.

Reprodução/Instagram

Seleção polonesa com o terno oficial para a Copa 2018, da marca Vistula. Lembra muito o estilo italiano

 

Reprodução/Instagram

Seleção polonesa em foto oficial com o terno Vistula

 

Hugo Boss x Alemanha
A seleção alemã, em parceria com a Hugo Boss, substitui camisa por camiseta e mistura o clássico ao casual. A produção monocromática, em um azul-marinho quase cobalto, contrasta com o tênis branco. A calça cigarrete traz mais um toque de contemporaneidade, mas eu já não gosto tanto.

Reprodução

Hugo Boss faz os ternos para a seleção alemã desde 2013

 

Reprodução

Detalhe com as cores da bandeira alemã no terno Hugo Boss para a seleção

 

Ricardo Almeida x Brasil
O estilista Ricardo Almeida ficou encarregado de criar os ternos dos jogadores da nossa seleção.

O look, todo em azul, é um pouco mais esportivo. O shape da calça é slim. Já o blazer, oversized, foi pensado com uma pegada jovem que não apagasse a personalidade dos atletas. A produção não inclui colete, e, nos pés, o tênis preto mistura o descolado ao social.

O estilista explicou que a estampa interna do blazer é inspirada na estética dos cartazes do construtivismo russo, cheia de linhas diagonais criando formas geométricas. Os desenhos homenageiam os cinco troféus que o Brasil conquistou em competições anteriores.

Reprodução/Twitter

Seleção Brasileira usando terno por Ricardo Almeida no Rio de Janeiro, antes de partir para Londres

 

Reprodução/Instagram

Desenho de Ricardo Almeida para a Seleção Brasileira

 

 

 

O primeiro jogo da Copa acontece em Moscou no dia 14/6. Os russos irão disputar em casa contra a Arábia Saudita. O Brasil estreia na competição deste ano no dia 17, em uma partida com a Suíça. Em julho, no dia 15/7, acontece a grande final.

Vamos torcer pelo hexa!

Para outras dicas e novidades sobre o mundo da moda, não deixe de visitar o meu Instagram. Até a próxima!

Colaborou Hebert Madeira



 


modaCopa do MundoDolce & Gabbanahugo bossMarks & SpencerRicardo Almeida