Desfile da Chanel em Hong Kong pode ser cancelado a qualquer momento

Dirigentes da marca estudam a possibilidade de mudar o destino da próxima coleção cruise da grife francesa. Entenda o motivo!

Pascal Le Segretain/Getty ImagesPascal Le Segretain/Getty Images

atualizado 21/08/2019 19:28

Os desfiles da Chanel são sempre majestosos. Enquanto era diretor criativo da grife francesa, Karl Lagerfeld tomou as ruas de Havana, transformou o Grand Palais em uma praia e ergueu supermercados, foguetes, icebergs e até uma réplica da Torre Eiffel apenas para suas criações passarem. Logo, quando a marca divulgou que sua próxima coleção cruise seria apresentada em Hong Kong, os fãs da label ficaram polvorosos com as possibilidades que a ilha chinesa daria à etiqueta. No entanto, corremos o risco de nunca sabermos o que a maison aprontará por lá.

Vem comigo saber o motivo!

No mês passado, a Chanel anunciou que exibiria sua coleção cruise no dia 6 de novembro no Terminal de Cruzeiros Kai Tak, em Hong Kong. Entretanto, de acordo com o WWD, os dirigentes da marca estão reconsiderando o palco da apresentação de seu próximo trabalho devido aos protestos que tomam a província.

Há pelo menos dois meses, militantes tentam barrar a influência de Pequim na ilha, após o governo sugerir um projeto de lei que permite a extradição dos cidadãos da ex-colônia britânica para a China continental. E, ao que parece, o clima de descontentamento está longe do fim.

Pascal Le Segretain/Getty Images
Desfiles de Lagerfeld misturavam pesquisas históricas e imaginação em cenários inesquecíveis

 

Stephane Cardinale - Corbis/Corbis via Getty Images
Show de alta-costura apresentado em janeiro deste ano

 

Pascal Le Segretain/Getty Images
Para a coleção de outono/inverno 2019/20, Lagerfeld fez nevar em Paris

 

Victor Boyko/WireImage
Outro belo cenário de Paris, em desfile da Chanel, em 2016

 

Getty Images
Grife fez desfile em praia artificial montada apenas para a ocasião

 

Getty Images
Inverno 2014/2015 no Grand Palais, com tema de supermercado

 

Apenas no domingo (18/08/2019), uma passeata atraiu 1,7 milhão de pessoas para as ruas da cidade. Desde o início das manifestações, em junho, foi a segunda maior aglomeração registrada. “Como todas as marcas presentes em Hong Kong, estamos acompanhando de perto os eventos, mas ainda não tomamos uma decisão”, disse a maison ao WWD.

Os protestos permanecem pacíficos, mas o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos emitiu uma declaração que pode ter preocupado a marca. De acordo com a organização, a cidade corre risco de entrar em recessão no terceiro trimestre, ao passo que várias lojas estão fechando suas portas até os manifestos cessarem.

Fuat Kabakci/Anadolu Agency via Getty Images
Registro feito no protesto de domingo (18/08/2019)

 

Reprodução/Twitter
Aeroporto de Hong Kong teve vários voos cancelados nas últimas semanas

 

A empresa deve tomar uma decisão final nos próximos dias, mas a mudança de local pode prejudicar aquilo que seria a redenção de Virginie Viard. Em sua estreia à frente da direção criativa da casa, a francesa não convenceu, o que pode impactar os lucros do segundo semestre de 2019.

O clima de tensão entre Hong Kong e a China continental não tem prejudicado apenas a Chanel. Recentemente, Versace, Givenchy e Coach lançaram camisetas que identificavam a ilha como território independente, a estratégia pegou mal diante da opinião pública e gerou boicotes a uma série de grifes.

 

Colaborou Danillo Costa

SOBRE O AUTOR
Ilca Maria Estevão

Bacharel em psicologia pela Universidade Georgetown, em Washington D.C. (EUA). É apaixonada por moda e acompanha toda movimentação no universo fashion.

Últimas notícias