No aniversário de Karl Lagerfeld, confira detalhes da vida do designer

O estilista se divide entre a moda, a fotografia e algumas polêmicas. Atualmente, comanda a Chanel e a Fendi, além de ter uma marca própria

Getty ImagesGetty Images

atualizado 12/10/2018 12:32

É inegável que Karl Lagerfeld é uma das figuras mais respeitadas no mundo da moda. Há anos, ele molda a indústria e lança tendências. Conhecido pelas escolhas ousadas e inovadoras, atualmente, é diretor criativo das grifes Chanel e Fendi, além de ter uma marca que leva o próprio nome.

Cabelos brancos, óculos escuros, blazer acinturado e luvas de couros são características do estilo icônico de Karl. Em Confidencial, documentário que acompanhou a rotina do kaiser, ele afirmou: não existe moda sem amor. “Quando eu vejo esses estilistas de tênis e camisetas velhas fazendo vestidos a preços astronômicos, culpo a desonestidade intelectual”, opinou.

Inovador, Karl produz desfiles dos jeitos mais inusitados e divertidos possíveis. Supermercado, aeroporto e cassino foram alguns dos locais escolhidos para apresentar suas coleções marcantes. Vale destacar que o designer foi o responsável pela renovação das clássicas bolsas da Chanel que nunca deixaram de ser uma sucesso. Na Fendi, esteve por trás da criação da icônica peekaboo – uma das minhas bolsas favoritas.

Nesta segunda-feira (10/9), o estilista faz aniversário. A idade é incerta, já que nem o próprio Karl sabe se veio ao mundo em 1933 ou 1935 devido a um erro na certidão de nascimento. O importante mesmo é a história construída ao longo de anos no universo fashion. Aproveito a data para relembrar um pouco da trajetória do estilista.

Vem comigo saber mais!

 

Karl Lagerfeld nasceu em Hamburgo, na Alemanha. Filho de um empresário e de uma violinista, ele sempre gostou de moda. Na infância, adorava recortar fotos de revistas. Também era conhecido por opinar sobre as roupas das outras crianças na escola.

Na década de 1930, com Hitler no poder, a família de Karl se mudou para uma área rural. Lá, os parentes evitavam falar sobre o nazismo. Foi na adolescência, quando voltaram a Hamburgo, que o  estilista passou a se dedicar à carreira fashion. Em 1953, chegou a Paris.

Em 1962, foi contratado como assistente por Pierre Balmain. No ano seguinte, criou e assinou uma linha de roupas e acessórios para a Chloé, grife na qual trabalhou por 20 anos.

Arte de Stela Woo com fotos de Getty Images
Karl Lagerfeld na década de 1960

 

Arte de Stela Woo com fotos de Getty Images
Karl na Chloé em 1979

 

Chanel
Tornou-se diretor criativo da Chanel em 1983. Um ano depois, em 5 de março de 1984, ele terminou a nova coleção de alta-costura no estúdio da grife, na Rue Cambon, em Paris. As peças de outono/inverno foram apresentadas após três semanas.

A primeira linha foi um resgate às décadas de 1920 e 1930, com referências do trabalho deixado por Coco Chanel. A maison estava à beira da falência, mas Lagerfeld conseguiu trazer a empresa de volta ao sucesso.

Ele fez o que poucos imaginavam: levou modernidade para a grife que já estava caindo no esquecimento. Ao mesmo tempo, manteve as características marcantes e o legado da icônica marca francesa.

Arte de Stela Woo com fotos Getty Images
Karl no início da carreira na Chanel, na Rue Cambon

 

Getty Images
Karl Lagerfeld trabalhando na primeira coleção para a Chanel, na década de 1980

 

Getty Images
Desfile de Karl Lagerfeld em 1984

 

Getty Images
Desfile de Karl Lagerfeld com a coleção Outono/Inverno 1984/1985

 

Karl Lagerfeld tem um histórico de inovação nos desfiles da Chanel. Transforma situações cotidianas em verdadeiras passarelas e palco para sua imaginação fora do comum. A ideia do estilista é mostrar que as roupas da grife não servem só em ocasiões formais.

Temas políticos e de comportamento são abordados pelo designer nas passarelas da Chanel. Na temporada de inverno 2014/2015, com inspiração no estilo de vida parisiense, Karl transformou o Grand Palais – cenário recorrente dos desfiles da Chanel – em um supermercado. O próprio estilista e as modelos entraram empurrando carrinhos e escolhendo produtos.

Getty Images
Karl no desfile de inverno 2014/2015 com tema de supermercado

 

Getty Images
Inverno 2014/2015 no Grand Palais, com tema de supermercado

 

Getty Images
Inverno 2014/2015 no Grand Palais, com tema de supermercado

 

Quando a França enfrentava uma crise aérea, em 2015, Karl Lagerfeld usou o momento político para transformar o Grand Palais em um aeroporto fictício. Batizado de Chanel Airlines, o terminal foi palco para modelos desfilarem entre balcões de check-in e guichês de bagagens.

Getty Images
Karl no desfile de primaververão 2016, quando o Grand Palais foi um aeroporto fictício

 

Getty Images
Chanel Arilines em 2015

 

Getty Images
Chanel Arilines em 2015

 

Outro bom exemplo foi quando ele optou pela sofisticação dos cassinos para lançar a linha de inverno 2016, batizada de Cercle Privé (círculo privado, em tradução livre). O Cassino Chanel tinha mesas de jogos e máquinas caça-níqueis. Com a coleção Cruise 2017, a criatividade também não ficou de lado. O desfile aconteceu em Cuba, no Passeio do Prado – uma charmosa alameda em Havana. O resultado foi um cenário lindo e rústico.

Getty Images
Chanel no Paris Fashion Week, em 2015, com tema de cassino

 

Getty Images
Na coleção de outono/inverno 2015/2016, o Grand Palais se transformou em cassino

 

Getty Images
Chanel Cruise 2016/2017 em Cuba

 

Getty Images
Karl no Chanel Cruise 2016/2017 em Havana

 

Em 2017, ele decidiu retornar a Hamburgo para apresentar a linha Métiers d’Art no Elbphilharmonie – edifício que Karl considera ser o mais interessante da Europa. As peças da coleção, inspiradas no período naval, foram desfiladas ao som de uma orquestra de música clássica.

Getty Images
Karl Lagerfeld com o modelo mirim Hudson Kroenig, na Métiers d’Art em Hamburgo

 

Getty Images
Metiers d’Art 20172018 na Alemanha

 

Getty Images
Metiers d’Art 2017/2018 na Alemanha

 

A Chanel sempre foi notada pelas clássicas bolsas. A cada coleção, elas aparecem em novos tecidos, tons e formas. Uma das marcas de Karl foi ter lançado peças incríveis e renovadas, mas sem perder a essência da grife. Recentemente, por exemplo, desenvolveu uma linha nova e batizou de Gabrielle – uma homenagem à fundadora da maison.

A assinatura de corrente, emblemática nas bolsas criadas por Coco, aparecem mescladas a diferentes tecidos nas camera bags. Karl também manteve a tradição de colocar símbolos de sorte nos itens da marca, sempre com criatividade.

Divulgação/Chanel
Bolsa Gabrielle, feita de novilho envelhecido

 

Divulgação/Chanel
Bolsa Grabrielle de twed

 

Divulgação/Chanel
Camera bag jeans com as emblemáticas correntes

 

Divulgação/Chanel
Amuletos da sorte na camera bag

 

Fendi
Karl está no comando da Fendi desde 1965. A história é tão longa que virou livro: em 2015, foi lançada a obra Fendi By Karl Lagerfeld com relatos, desenhos, entrevistas e memórias do estilista alemão. 

Quando a Fendi estreou na Semana de Moda de Paris, em 2015, Karl entrou para a história como o primeiro estilista a comandar dois desfiles de alta-costura na mesma temporada, considerando também o da Chanel. O estilista já colaborou com marcas como Diesel, Tommy Hilfiger, H&M, Melissa e Wolford.

Divulgação/Fendi
Livro Fendi By Karl Lagerfeld

 

Getty Images
Karl Lagerfeld foi o primeiro designer a comandar dois desfiles de alta-costura na mesma temporada

 

Getty Images
Fendi celebrou os 50 anos de Karl Lagerfeld como diretor criativo

 

Getty Images
Estreia da Fendi na alta-costura, em 2015

 

Na grife italiana, uma das criações mais icônicas é o modelo de bolsa peekaboo. A criação de Sylvia Venturini Fendi surgiu na coleção Primavera/Verão de 2009. O nome é uma referência à brincadeira peek a boo, quando os bebês se divertem vendo os adultos escondendo o rosto com as mãos e mostrando em seguida. Recentemente, em comemoração aos 10 anos do lançamento, a peça foi recriada.

Divulgação/Fendi
Peekaboo by Fendi

 

Divulgação/Fendi
Peekaboo by Fendi

 

Outra invenção na label foram os exagerados e coloridos chaveiros. Aparecem em vários tamanhos e formatos, inclusive no shape de um “mini Karl Lagerfeld”. Em 2014, na Semana de Moda de Milão, durante a temporada inverno 2014/2015, Cara Delevingne surgiu usando um casaco-vestido preto com capuz felpudo e, para completar, segurava o acessório que homenageia o estilista.

Divulgação/Fendi
Chaveiros de Karl

 

Getty Images
Cara Delevingne no Milão Fashion Week, em 2014, segurando o “mini Karl”

 

Outra paixão de Karl é a fotografia. Tudo começou em 1987, quando ele fez fotos para um material da Chanel destinado à imprensa. Desde então, não parou. Em 2015, por exemplo, o artista reuniu vários trabalhos e lançou a exposição A Visual Journey, na Pinacothèque de Paris. Em 2010, fotografou em Buenos Aires para a Chanel.

A exposição The Litttle Black Jacket, passou por Tóquio, Nova York, Taipei, Hong Kong, Londres e Moscou. Em 2012, foi inaugurada no Grand Palais, em Paris. No ano seguinte, chegou à Milão. A mostra reuniu 113 fotos tiradas por Karl Lagerfeld de personalidades como Olivier Theyskens, Anna Wintour, Yoko Ono e Uma Thurman.


Uma curiosidade sobre Lagerfeld é que ele tem uma uma gata siamesa e a trata com muito luxo e conforto. Há três anos, Choupette ganhou mais de R$ 10 milhões por dois trabalhos publicitários. “Ela é como um ser humano, mas melhor. Sabe ficar em silêncio e não discute. Odeia os outros animais e as crianças”,  afirmou Karl à revista The Cut.

 

Rperodução/Instagram
Karl e a gata Choupette

 

Reprodução/Instagram
Karl já declarou que Choupette seria sua herdeira

 

Outro lado
Sabe-se também que o estilista é conhecido por fazer comentários preconceituosos e controversos. Em maio deste ano, Karl foi criticado nas redes sociais depois de declarar em entrevista à Numéro Magazine que é contra o #MeToo – movimento que reúne forças contra casos de assédio sexual.

“Agora temos de perguntar a uma modelo se ela se sente confortável a posar. É simplesmente demasiado. De agora para a frente, como designer, não se pode fazer nada”, disse Karl, entre outras afirmações sexistas. O estilista também já soltou: ‘”Se você não quer a calcinha puxada, não se torne uma modelo”.

Em 2012 e 2013, criticou o corpo da cantora Adele. Não para por aí: declarações xenofóbicas também fazem parte do histórico de Karl. Em maio, ao jornal francês Le Point, Karl disse que poderia renunciar a cidadania alemã por causa dos muçulmanos que foram recebidos no país.

Nem a própria criadora da Chanel escapou das observações de Karl. “Coco fez muito, mas não quanto as pessoas acham – ou o tanto que ela pensava no fim da carreira”, declarou em 2010 ao International Herald Tribune’s Luxury Heritage. Ele discordava dela sobre minissaias e calças jeans – peças que ele considera emblemáticas para a década de 1960.

Para outras dicas e novidades sobre o universo fashion, não deixe de visitar o meu Instagram. Até a próxima!

Colaborou Rebeca Ligabue

 

SOBRE O AUTOR
Ilca Maria Estevão

Bacharel em psicologia pela Universidade Georgetown, em Washington D.C. (EUA). É apaixonada por moda e acompanha toda movimentação no universo fashion.

Últimas notícias