Adidas, Puma e Levi’s boicotam Facebook por tolerância a discursos de ódio

Etiquetas de moda aderiram ao movimento #PareDeLucrarComÓdio, que pede à rede social políticas mais eficazes no combate ao preconceito

atualizado 08/07/2020 17:42

Campanha da Puma Puma/Divulgação

Desde que os protestos referentes ao Black Lives Matter contagiaram o mundo, as grandes companhias entraram na mira do consumidor, que, agora, cobra o endosso das empresas à causa negra. Nesse contexto, o Facebook, conhecido por minimizar discursos de ódio publicados na plataforma, tornou-se alvo de críticas por não adotar políticas claras para combater o preconceito em suas dependências virtuais. A negligência gerou até mesmo um movimento com a tag #StopHateForProfit. A ação ganha notoriedade na mídia conforme marcas como Adidas, Puma e Levi’s decidem se juntar ao protesto suspendendo as relações comerciais com a rede social na esperança de que medidas mais eficazes contra racismo, homofobia e xenofobia sejam implementadas por Mark Zuckerberg.

Vem comigo saber mais!

@LAvsHate/Giphy/Reprodução

No século 18, o movimento abolicionista conseguiu atingir a indústria britânica sugerindo que o povo deixasse de comprar produtos fabricados por escravos. Desde então, os boicotes têm sido uma ação assertiva no combate ao racismo, apesar de ainda serem necessários muitos avanços.

Em 2017, várias companhias ameaçaram parar de anunciar no YouTube se a plataforma continuasse permitindo a publicação de vídeos racistas e homofóbicos. Três anos depois, a realidade no portal é outra. Caso haja sinais de discurso de ódio, a mídia é deletada do site.

Agora, chegou a vez do Facebook. Desde o lançamento do movimento #StopHateForProfit, idealizado por grupos de direitos civis após a morte de George Floyd, a lista de marcas que anunciaram boicotes à plataforma não para de crescer.

“Por mais de cinco anos, pedimos ao Facebook que fizesse a coisa certa e tornasse sua plataforma segura para os milhões de negros que a usam. Desde a monetização do discurso de ódio à discriminação em seus algoritmos, o Facebook se recusou a assumir a responsabilidade pelo ódio, preconceito e discriminação que crescem em suas plataformas” diz um comunicado no site da organização Color of Change.

Campanha Adidas
O #StopHateForProfit exige mudanças nas políticas do Facebook

 

Loja de Marc Jacobs vandalizada na Rodeo Drive, em Los Angeles
Movimento foi originado após o #BlackLivesMatter

 

Mark Zuckerberg
Empresa de Mark Zuckerberg é acusada de ser permissiva com discursos de ódio

 

Apenas em junho, mais de 240 empresas se uniram à iniciativa, que demanda um comportamento mais enfático em relação às postagens preconceituosas feitas na rede social e recomenda a descontinuação das relações comerciais com a gigante da internet.

“Não há lugar para o racismo no mundo e não há lugar para o racismo nas mídias sociais. Vamos usar esse tempo para reavaliar nossa política de marketing e determinar quais revisões serão necessárias”, declarou James Quincey, CEO e presidente da Coca-Cola, ao suspender os anúncios da multinacional na plataforma.

Em meio ao apoio de companhias como Ford, HP, Starbucks, Microsoft, Pepsi e Unilever, as etiquetas Puma, Levi’s e Adidas, que também detém a Reebok, foram a público se posicionar contra a negligência do site de relacionamentos.

“A Adidas e a Reebok estão dedicadas a cultivar melhores práticas dentro da empresa, no Brasil e no mundo. Conteúdo racista, discriminatório e discursos de ódio nas redes sociais não têm lugar na nossa marca e nem na sociedade. Assim, pausaremos os testes feitos no Facebook e Instagram em julho. Nos próximos 30 dias, também desenvolveremos novos critérios para proteger nós, do Grupo Adidas, e todos os nossos parceiros”, afirmou a etiqueta alemã ao anunciar sua adesão ao #StopHateForProfit.

Campanha Adidas
A Adidas, que também é dona da Reebok, não irá recorrer ao Facebook em julho

 

Orgulho LGBTI
A concorrente Puma publicou: “Estamos orgulhosos de participar do boicote #StopHateforProfit. Pararemos todos os anúncios no Facebook e Instagram em julho”

 

peça da coleção Levi's x Super Mario
A Levi’s, por sua vez, foi mais enfática: “O Facebook deve tomar medidas para impedir a desinformação e o ódio em suas plataformas. É uma afronta inaceitável aos nossos valores”, publicou a etiqueta esportiva ao anunciar o boicote

 

Após a movimentação, as ações do Facebook caíram 8,3% na New York Stock Exchange, a bolsa de valores da metrópole norte-americana, perdendo US$ 56 bilhões em valor de mercado.

À BBC, David Cumming, diretor do escritório de investimentos Aviva Investors, analisou que “a perda de confiança e a ausência de um código moral podem destruir os negócios” do grupo de comunicação de Zuckerberg. No entanto, para a iniciativa surtir um real efeito, é necessário que os empresários persistam no boicote.

O Facebook faturou US$ 70 bilhões em 2020. De acordo com a CNN, os gastos das 100 marcas que mais investem em publicidade na rede social representam apenas 6% desse montante, e apenas três dos 25 maiores anunciantes (Microsoft, Starbucks e Pfizer) aderiram ao #StopHateForProfit.

Além disso, as pequenas e médias empresas ligadas à plataforma não devem compactuar com a ação, uma vez que elas precisam do retorno proporcionado pelo Facebook para manter os negócios. Mat Morrison, chefe de estratégia da agência de publicidade Digital Whisky, disse à CNN que essas companhias “não podem se dar ao luxo de não anunciar”, já que apenas a rede social proporciona um acesso direto aos públicos altamente segmentados.

Facebook
As ações do Facebook caíram mais de 8% após o boicote

 

loja da Adidas fechada
Apesar do endosso, etiquetas de moda não fazem parte da lista de maiores anunciantes do Facebook

 

Pequenas marcas
As marcas menores se tornaram dependentes da plataforma e não devem aumentar o coro contra a rede

 

Por outro lado, os acionistas devem pressionar Zuckerberg a evitar um pesadelo de relações públicas que pode desencadear novos problemas. Na sexta-feira (26/6), o fundador do Facebook realizou uma transmissão ao vivo para adiantar mudanças nas regras da plataforma, como a ampliação das restrições aos discursos que envolvem “raça, etnicidade, origem nacional, afiliação religiosa, casta, orientação sexual e identidade de gênero”.

Além disso, em breve, a rede social irá rotular e alertar os usuários a respeito dos conteúdos que violam as regras da plataforma e não poupará nem os políticos. “Para esclarecer um ponto: não existe exceção para conteúdo que incite a violência. Mesmo que seja um político ou um membro do governo, se determinarmos que aquele conteúdo possa gerar violência ou impedir o direito de voto das pessoas, nós o removeremos”, enfatizou Mark.

Em entrevista à Bloomberg, Nick Clegg, vice-presidente para relações globais da empresa, elogiou a reação do CEO, defendendo que o Facebook desenvolveu os mais sofisticados sistemas de inteligência artificial para identificar discurso de ódio e desinformação. Segundo ele, a companhia nunca quis lucrar com a situação.

Mark Zuckeberg não conseguiu comprar o Snpachat e continua compenetrado a "engolir" a rede social, lançando novas ferramentas para as plataformas que ele administra
Zuckerberg anunciou pacote de medidas para frear o movimento

 

Donald Trump
Discursos de ódio serão banidos da plataforma, mesmo vindo de políticos

 

Facebook
Nick Clegg, vice-presidente para relações globais do Facebook, defendeu que a companhia nunca quis lucrar com o ódio

 

O #BlackLivesMatter tem impactado os alicerces da indústria da moda. À medida que os profissionais negros cobram mais inclusão no segmento, expondo o racismo presente nos bastidores do universo fashion, publicações de moda e etiquetas são pressionadas a fazerem mais do que postagens em redes sociais, diversificando as equipes internas para que a comunidade seja representada de forma adequada no segmento. Aguardamos por mais diversidade!


Colaborou Danillo Costa 

Últimas notícias