GDF se compromete a reduzir espera por consulta neuropediátrica

Pacientes chegam a aguardar por sete anos para serem atendidos por um especialista na rede pública do DF, de acordo com a Defensoria Pública

Igo Estrela/MetrópolesIgo Estrela/Metrópoles

atualizado 24/01/2020 22:37

O Governo do Distrito Federal (GDF) se comprometeu a apresentar, no prazo de 15 dias, um plano de ação para equilibrar, em seis meses, a oferta e a demanda do serviço de consulta em neuropediatria.

O acordo foi homologado pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) na última quarta-feira (22/01/2019) e é decorrente de ação apresentada pela Defensoria Pública do Distrito Federal.

De acordo com a petição inicial, o déficit mensal, na rede pública de saúde, é de aproximadamente 125 consultas na especialidade de neurologia pediátrica.

A demanda reprimida, de acordo com o documento, chega a 9.034 solicitações. A Defensoria Pública argumenta, na peça, que são crianças em fase de desenvolvimento, e a demora no atendimento pode causar consequências irreparáveis.

“Percebemos que a fila chega a sete anos. Crianças em situação de emergência estão sendo atendidas em até 100 dias. Casos urgentes, em, mais ou menos, dois anos. Situações não urgentes têm tempo de espera de cinco a sete anos”, afirmou o coordenador do Núcleo de Saúde da Defensoria Pública, Ramiro Sant’Ana.

O defensor público destacou que a quantidade de especialistas é pequena: 16 em toda a Secretaria de Saúde.

A Procuradoria-Geral do Distrito Federal (PGDF) informou que o GDF cumprirá o que foi acordado na Justiça.

A Secretaria de Saúde afirmou, por meio de nota, que “o atendimento em neurologia pediátrica é realizado nos hospitais regionais do Paranoá, Taguatinga, Sobradinho, Asa Norte, além do Materno Infantil, da Criança e Policlínica de Ceilândia”.

SOBRE OS AUTORES
Isadora Teixeira

Formada pelo Centro Universitário Iesb, atua como repórter do Metrópoles desde 2017. Na editoria de Cidades, cobre assuntos políticos relacionados ao Distrito Federal

Gabriella Furquim

Formada em jornalismo pela Universidade de Brasília (UnB), com experiência em redação, assessoria de imprensa e gestão de comunicação. Atua na área desde 2009. Integrou as equipes de reportagem e edição dos jornais Correio Braziliense e Aqui DF. Em 2014, coordenou a comunicação da Associação Nacional dos Centros de Defesa da Criança e do Adolescente, Seção Defence for Children Brasil (Anced/ DCI Brasil), e do projeto internacional Red de Coaliciones Sur. De 2015 a 2017, foi assessora de imprensa do governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg.

Últimas notícias