Com seis óbitos por coronavírus, DF tem recorde de mortes em um único dia

Vítimas eram de Ceilândia, Águas Claras, Guará e Sobradinho, além de um detento da Papuda. Total de fatalidades chegou a 68 nesta terça

Pessoa em UTIHugo Barreto/Metrópoles

atualizado 20/05/2020 7:20

O Distrito Federal registou seis mortes por coronavírus nesta terça-feira (19/05). É o maior número de óbitos na capital em um único dia desde o início da pandemia.

A quantidade de moradores do Distrito Federal que perderam a vida em decorrência da infecção pelo novo coronavírus subiu para 68 no fim da tarde desta terça-feira (19/05). Os dados foram atualizados às 17h34. A capital do país tem 4.853 casos da doença, segundo boletim da Saúde, divulgado no fim da tarde.

Contudo, no painel da Secretaria de Saúde constam 72 falecimentos, pois quatro deles são de pacientes que residiam em cidades goianas do Entorno.

Ao longo do dia, seis fatalidades entraram para as estatísticas. As vítimas eram moradores de Ceilândia, Águas Claras, Guará e Sobradinho. Também foi registrado o óbito de um interno da Penitenciária do Distrito Federal 1 (PDF 1), localizada no Complexo da Papuda – a segunda morte no sistema prisional, pois, no fim de semana, um policial penal não resistiu à doença.

Entre os detentos do Distrito Federal, esse foi o primeiro óbito. Álvaro Henrique do Nascimento Sousa, 32 anos, tinha tuberculose e HIV. Ele estava internado no Hospital Regional da Asa Norte (Hran).

Foram registradas nesta terça-feira (19/05) duas mortes de moradores de Águas Claras. As vítimas são um homem de 76 anos e uma mulher de 86 anos. Ele não apresentava comorbidades e estava internado no Hospital das Forças Armadas (HFA). Ela estava sob os cuidados da equipe médica do Hospital Regional da Asa Norte (Hran) e era portadora de hipertensão e de alzheimer.

Sobradinho perdeu o primeiro morador para a Covid-19. De acordo com a Secretaria de Saúde, trata-se de um homem de 66. Ele foi internado no Hospital Regional de Santa Maria (HRSM) no último dia 10 e faleceu na mesma unidade nesta terça (19/05). Ele tinha diabetes e hipertensão.

Região administrativa com o maior número de óbitos, Ceilândia registrou outra morte. O homem de 89 deu entrada no Hospital Regional de Ceilândia (HRC) no último dia 11. Ele era portador de nefropatia, condição considerada como comorbidade.

Também foi notificada a morte de uma mulher de 46 anos, que residia no Guará. Ela estava internada no Hospital Daher e tinha hipertensão e obesidade.

0
Últimas notícias