Confira como está a “relação” do seu time com o VAR

Descubra qual time mais se beneficiou no Brasileiro com a tecnologia e aqueles que querem esquecer o VAR

ROBERTO ZACARIAS/MAFALDA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOROBERTO ZACARIAS/MAFALDA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

atualizado 26/11/2019 18:11

Um dia após erguer a taça da Libertadores, o Flamengo conquistou o título do Brasileirão 2019. Essa foi a primeira edição do Campeonato Brasileiro com o uso do VAR. A tecnologia vem dando o que falar no mundo do futebol. Defendido por uns e contestado por outros, o VAR não é unanimidade. Mas será que o árbitro de vídeo interferiu na ponta da tabela do Brasileirão? Qual time mais se “deu bem” com a tecnologia? E qual foi o mais foi “prejudicado”?

Vamos analisar!

Até a 33a rodada, os árbitros mudaram 166 vezes sua decisão de campo, graças ao VAR. Um número muito alto, média de uma alteração a cada dois jogos. Para se ter um parâmetro, na Copa do Mundo, a média era de uma revisão a cada 3,7 jogos. Em outras palavras, os árbitros no Brasileirão erraram 166 vezes e o VAR corrigiu. Só não é 100% verdade, porque o VAR também errou.

Abaixo estão todas as mudanças do campeonato até a rodada 33.

Tabela das mudanças de decisão:
46 Gols anulados
24 Gols concedidos
49 Pênaltis marcados
13 Pênaltis desmarcados
22 Cartões vermelhos aplicados
7 Cartões vermelhos cancelados
5 Erros de identificação corrigidos

Muitos diziam que o Flamengo era o time mais “beneficiado” pela arbitragem. Porém, a análise dos dados do VAR mostra outra coisa. Foram sete mudanças de decisão a favor do Rubro-Begro e oito contra, com saldo de -1. A equipe que teve mais mudanças a seu favor foi o Vasco, com 15. Já o clube que teve mais marcações contrárias foi o Athletico-PR, com 14.

No balanço geral, entre marcações pró e contra, o saldo mais positivo é o do Vasco, com saldo de nove decisões favoráveis. O time mais “prejudicado” pelo VAR é o Fortaleza, com saldo de -5.

Confira a tabela abaixo!

Moisés Dias/Metrópoles

Seis mudanças de decisão não foram levadas em consideração por não serem favoráveis e nem contrárias às equipes (os cinco erros de identificação e o cartão amarelo aplicado no Gre-Nal para as duas equipes).

Ano que vem será um ano importantíssimo para a aceitação do VAR. Não caberá mais o argumento de que é uma novidade. Vai ter que funcionar e com critério! Este ano, a arbitragem deixou a desejar. Como vimos, foram muitos erros cometidos pelos árbitros, mas o VAR também vacilou algumas vezes.

Sobre as mancadas do VAR? Aguardem o próximo texto!

SOBRE O AUTOR
Fernanda Colombo

Natural de Criciúma (SC), mora no Rio de Janeiro (RJ). Formada em educação física com especialização em jornalismo esportivo. Ex-bandeirinha da CBF aspirante à FIFA. Escritora, apresentadora e comentarista de arbitragem.

Últimas notícias