Estresse em pets: veterinária dá 6 dicas para lidar com o problema

Muitas atitudes que os tutores tomam vão contra o instinto dos animais e isso pode desencadear em hábitos ruins

atualizado 19/06/2020 16:42

Hugo Barreto/Metrópoles

O estresse não é um quadro exclusivo dos humanos. Os pets podem apresentar o problema com frequência, e ainda, absorver o estresse dos tutores. Alguns dos sintomas do mal em cães e gatos são a queda de pelos, latidos e miados em excesso, vômitos, orelhas caídas e até mesmo um comportamento agressivo. 

Logo, é importante que o tutor esteja atento para que possa lidar e tratar o quadro da melhor maneira. Consultas ao veterinário e alguns tratamentos podem ser necessários dependendo do momento em que o animal se encontra. 

Pensando nisso, o Metrópoles bateu um papo com a médica veterinária, Roberta Azevedo, e separou seis dicas para ajudar os tutores a aliviarem o estresse nos pets. Veja:

1- O que pode causar estresse nos pets?

Roberta aponta que geralmente o que causa estresse nos animais são as atitudes que os tutores tomam que muitas vezes vão contra o instinto deles. Além disso, a humanização exagerada dos pets também é um problema. 

“A cada dia mais, nós humanizamos mais os nossos pets, e com isso eles vão perdendo o espaço para expressar seus instintos naturais, como latir, no caso dos cães, ou caçar, no caso dos gatos.  Esse já é um fator conhecidamente estressante, por isso o tutor deve deixar o animal ter os seus instintos. Então ao entender que o pet não é gente, facilitamos a vida deles e a nossa”, explica,

2 – Invista em enriquecimento ambiental 

De acordo com Roberta, uma das melhores soluções para aliviar o estresse nos pets é o enriquecimento ambiental, onde o tutor vai disponibilizar brinquedos para que o animal se distraia enquanto está fora. A solução é muito importante principalmente para os cães, pois eles são animais que não vivem bem sozinhos.

“O enriquecimento ambiental é útil em animais que ficam longos períodos sozinhos. O tutor pode deixar o rádio ou a televisão ligada, pois dá a eles a sensação de companhia. Hoje existem canais próprios para eles nos pacotes de assinatura. Outra forma simples e barata para enriquecimento ambiental é colocar grãos da ração dentro de uma garrafa pet, e deixar a garrafa aberta ou com alguns furos, para que eles se distraiam tentando tirar a comida lá de dentro”, conta.

3- Aumente o nível de exercícios do pet

“A melhor maneira de aliviar o estresse do animal, é quando o tutor passa mais tempo com ele. Então caminhadas e exercícios juntos são importantes. Além disso, caminhadas longas são maneiras efetivas de liberar hormônios que promovem a sensação de bem estar nos animais, então dedique um tempo para passear e estar com o pet”, aconselha.

4 – O banho pode ajudar 

Roberta afirma que os banhos podem ajudar a diminuir o estresse, no entanto, tudo vai depender da relação que o pet tem com a água. “Tem animais que adoram banhos e se divertem com a água, outros detestam e saem correndo. Então o tutor deve analisar qual é o caso do pet, pois se ele não gostar de tomar banho, o momento pode ser ainda mais estressante”, afirma. 

5 – Respeite o espaço do pet

“Assim como os humanos, os pets também precisam de um momento só para eles, principalmente os gatos. Então quando ele se esconde e fica deitado no espaço dele, deixe ele lá. Quando ele levantar e pedir atenção, aí você cuida e brinca com ele. Os animais precisam relaxar e tirar uma soneca em alguns momentos, esses momentos fazem bem a eles”, explica. 

6 – Descubra qual o brinquedo favorito do pet

“Cada pet tem seu brinquedo favorito, alguns gostam de pelúcia, arranhadores, bolinhas ou mordedores. Cabe ao tutor descobrir qual é esse brinquedo e deixar disponível para o bichinho. Esses objetos podem ajudar muito o animal a se divertir sozinho”, finaliza.

Últimas notícias