Procuradores defendem que STF mantenha prisão após 2ª instância

Em nota, integrantes do Ministério Público alegaram que uma eventual mudança de entendimento pode implicar em "retrocesso jurídico"

Vinicius Santa Rosa/MetrópolesVinicius Santa Rosa/Metrópoles

atualizado 15/10/2019 11:53

Em nota, a Associação Nacional do Ministério Público (Conamp), que reúne os MPs estaduais., defendeu a atual jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF) que autoriza o início da execução da pena após condenação em 2ª instância. A entidade representa mais de 14 mil procuradores e promotores do Ministério Público brasileiro.

A Corte marcou para esta quinta-feira (17/10/2019) a análise de três ações que definem a possibilidade da derrubada de condenações impostas a réus que foram sentenciados em 2º grau.

“Confiamos que o Supremo Tribunal Federal apresentará resposta que venha assegurar a estabilidade institucional, preservando a solidez e segurança jurídica, sem espaço para qualquer conjectura de oscilação da orientação jurisprudencial recentemente reafirmada e que muito tem contribuído no combate à criminalidade”, diz trecho do comunicado.

Segundo a entidade, uma eventual reversão do entendimento admitido atualmente implicaria em “evidente retrocesso jurídico”. “Dificultando a repressão a crimes, favorecendo a prescrição de delitos graves, gerando impunidade e, muitas vezes, até inviabilizando o trabalho desenvolvido pelo Sistema de Justiça Criminal no combate à macrocriminalidade”.

SOBRE O AUTOR
Thayná Schuquel

Gaúcha, do interior do Rio Grande do Sul (RS), veio a Brasília em busca de histórias inusitadas para narrar pelo Brasil afora. Nas horas vagas, arrisca o traço na escrita de crônicas. Estudante de jornalismo na Universidade Paulista (Unip).

Últimas notícias