*
 
 

Apartamentos e casas com o conceito aberto – no qual a cozinha e as salas de estar e jantar são integradas – se tornaram um sonho de muita gente que reforma ou constrói um imóvel. Eu mesmo sou do tipo de pessoa que faz questão desse conceito na minha casa.

Mais do que a sensação de amplitude que um ambiente como esse provoca, a ideia que mais atrai é a de poder cozinhar e preparar uma refeição sem se isolar dos espaços sociais da casa. Mas a febre da cozinha americana trouxe também uma série de problemas de projeto e uma ou outra frustração para os moradores.

Veja oito coisas que você precisa saber antes de embarcar nesse sonho do espaço integrado:

Reprodução

1 – Escolher os revestimentos de uma cozinha americana é bem diferente de escolher revestimentos para uma cozinha fechada. O ideal é que a cozinha aberta tenha uma comunicação visual com a sala consistente e fluida, como uma continuação do ambiente social da casa.

Do contrário, a casa acaba ficando esteticamente desajeitada: uma sala toda arrumada e uma cozinha tradicionalzona no meio dela. A cozinha americana não precisa repetir os materiais usados nos demais ambientes, mas é interessante que eles tenham algo em comum capaz de criar essa conexão, como cores, estilo ou texturas.

  • Reprodução

2 – Um erro comum que as pessoas cometem com um espaço de conceito aberto é pensar que todos os móveis devem estar contra as paredes. Ambientes integrados são ótimas oportunidades para ser criativo com móveis flutuantes, como uma escrivaninha, um sofá solto ou uma estante baixinha de livros.

Reprodução

3 – A organização de uma cozinha aberta deve ser ainda mais bem pensada, uma vez que ela está sempre exposta ao ambiente social. Em resumo, qualquer baguncinha na cozinha estará sempre exposta para quem estiver na sala. Sabe aquela possibilidade de ignorar solenemente a pilha de louça na cozinha? Ela se torna um elefante na sala quando vivemos em um ambiente integrado.

Reprodução

4 – Ao projetar um espaço de conceito aberto, concentre-se em delinear áreas funcionais. Incorpore um tapete ou use uma luminária para demarcar o espaço e maximizar o layout, criando cenas que demonstrem as diferentes funções dos ambientes sem que eles pareçam partes desconectadas.

Reprodução

5 – Um dos maiores erros que você pode cometer ao conceber um conceito aberto é ignorar o fluxo de tráfego entre os espaços. Pense nas passagens necessárias para que as pessoas circulem com facilidade dentro da cozinha e quando transitarem entre os ambientes integrados.

Reprodução

6 – A cozinha americana integra pessoas e espaços, mas traz o ônus da perda de privacidade quando ela se faz necessária – uma reclamação comum de pessoas que contam com o apoio de funcionários de limpeza ou de cozinha.

Reprodução

7 – Se sua intenção é não se isolar num espaço fechado quando cozinhar, vale pensar na possibilidade de criar assentos ao redor dessa cozinha, para estimular que mais pessoas interajam com o espaço. O bom e velho balcão com banquetas que separa a cozinha da sala, uma mesa de jantar ou cadeiras na bancada da ilha são ideias não só para oferecer refeições, mas também convidar as pessoas a usufruírem do espaço.

Reprodução

8 – Quem cozinha todo santo dia deve ter em mente que o cheiro da comida vai virar o cheiro da casa inteira. Não só o cheiro, como a gordura, que mesmo de forma controlada vai acabar surgindo nos objetos mais próximos ao fogão. Mesmo com uma boa coifa ou depurador é impossível controlar totalmente a questão do cheiro e da gordura.



 


decoraçãoarquiteturacozinha americanasala integrada