Hana Khalil, do BBB19, se revolta com Neymar: “Ele é estuprador”

Jogador é investigado por acusação de estupro após ser denunciado por uma mulher em São Paulo

atualizado 03/06/2019 19:31

Reprodução/Instagram

Conhecida por defender causas feministas em suas redes sociais, Hana Khalil, do Big Brother Brasil 19, se manifestou acerca da polêmica envolvendo o jogador Neymar Jr. Após várias celebridades nacionais comentarem as acusações de estupro conta o craque do Paris Saint-Germain, Hana se pronunciou de forma polêmica por meio de vídeos feitos na função Stories do Instagram.

“Mesmo que seja mentira, mesmo que a garota esteja mentindo, querendo se aproveitar da grana do Neymar como vocês estão falando… Até que se prove o contrário, até que a Justiça prove o contrário, ele é estuprador”, disparou a jovem, referindo-se à mulher responsável pelas denúncias contra Neymar.

Publicidade do parceiro Metrópoles
0

O discurso da ex-BBB não parou por aí. “Vocês têm que parar com esse estereótipo de que estupro é só quando um cara te prende num beco e você não consegue sair”, disse. Por fim, criticou a sociedade brasileira, acusando-a de ignorância.

“Quando acontece uma coisa dessas a gente percebe o quanto a sociedade, o brasileiro principalmente, não sabe se comportar, não sabe a gravidade, o teor do que isso significa. Não sabe se comportar diante de uma notícia como essa, de uma situação como essa”, declarou. “Quem deve não teme, não é, Ney?”, concluiu.

O caso
O jogador Neymar da Silva Santos Junior é investigado, em São Paulo, depois que uma mulher o denunciou por um estupro que teria acontecido no Hotel Sofitel Paris Arc de Triomphe, em Paris. Em depoimento que durou mais de três horas, de acordo com o boletim de ocorrência (BO) obtido pelo Metrópoles, a mulher afirmou que, “aparentemente embriagado”, o jogador a forçou a ter uma relação sexual.

Segundo o relato da vítima, que não foi identificada no BO com base em um protocolo de segurança, o fato aconteceu no dia 15 de maio, mas só foi registrado nessa sexta-feira (31/05/2019), na 6ª Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) em Santo Amaro, em São Paulo. Ela disse à polícia que estava emocionalmente abalada e teve medo de registrar o caso na França.

Mais lidas
Últimas notícias