“Vacinas são seguras para as crianças”, diz secretário de Saúde de SP

Secretário destacou que parada cardíaca de menina no interior não foi causada por vacina contra Covid e ressaltou segurança dos imunizantes

atualizado 20/01/2022 18:11

Placa escrito vacina com seta vermelha e menino de preto e máscara ao fundoIgo Estrela/Metrópoles

São Paulo – O secretário estadual de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, afirmou nesta quinta-feira (20/1) que, após investigações concluírem que a parada cardíaca em uma menina de 10 anos no interior do estado não tem relação com a vacina contra a Covid-19, “é fundamental que os pais levem seus filhos para serem imunizados”.

Gorinchteyn explicou que, a partir do momento em que a secretaria foi informada de que a criança teve uma parada 12 horas após a dose da Pfizer, nessa quarta (19/1), a pasta instalou um comitê técnico-científico para avaliar as condições da menina.

0

“Foram 10 especialistas envolvidos, em contato constante com a equipe médica de Lençóis Paulista e com o hospital particular em Botucatu, e se concluiu que não se trata de um evento adverso da vacina“, disse.

Veja a íntegra do documento:

Nota Informativa by Grasielle Castro on Scribd

O secretário, que também é médico, afirmou que “de forma alguma” os pais devem se preocupar com este caso. 

“O que se descobriu é que está criança tem uma doença rara, e agora chegou ao conhecimento dos familiares. As vacinas, tanto da Pfizer quanto a Coronavac, são absolutamente seguras, são vacinas liberadas não só pela Anvisa mas por outras agências reguladoras pela sua segurança e eficácia, ou seja, são seguras e protegem contra a Covid”, explicou ao Metrópoles.

Gorinchteyn lembrou que existem crianças no estado com sintomas graves de Covid. Entre 15 de novembro e 17 de janeiro, houve um aumento de 61% na internação de menores de 18 anos pela doença em Unidades de Terapia Intensiva (UTI), segundo o governo.

“A única forma de evitarmos isso é com a vacinação, é muito importante que os pais levem seus filhos para vacinar”, falou.

Mais lidas
Últimas notícias