TRF-1 pede que PF investigue produção de relatório do Coaf sobre Wassef

Documento aponta transações suspeitas de Frederick Wassef, advogado ligado a Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), mas foi anulado

atualizado 04/02/2021 8:11

Advogado pessoal do presidente Bolsonaro, Frederick WassefIgo Estrela/Metrópoles

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) determinou, na quarta-feira (3/2), que a Polícia Federal (PF) investigue desvios na produção do relatório de inteligência financeira elaborado pelo Conselho de Controle de Atividades Financeira (Coaf).

O documento aponta transações suspeitas de Frederick Wassef, advogado ligado a Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), mas teve validade suspensa após o tribunal considerar que não existia hipótese legal para a criação do relatório.

A Justiça considerou a expedição do documento como “geração espontânea”. Com a decisão, todas as investigações que usam o relatório como fonte de apuração não podem ser validadas.

A medida afeta diretamente o inquérito da Polícia Federal que apura as movimentações financeiras de Wassef e que investiga o desvio de recursos públicos por meio de funcionários laranjas no gabinete do senador Flávio Bolsonaro, na época em que ele era deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Com o novo pedido do TRF-1, a PF terá de apurar desvios na produção do relatório. O Ministério Público Federal (MPF) chegou a pedir, na última semana, que a decisão do TRF-1 fosse reanalisada. As informações são da coluna Painel, da Folha de S.Paulo.

0

Últimas notícias