Servidor: veja como fica o expediente nos órgãos após coronavírus

Após as infecções, uma série de órgãos públicos determinou medidas emergenciais nas repartições, como rodízio

Michael Melo/Metrópoles

atualizado 16/03/2020 12:47

Após as infecções de coronavírus, uma série de órgãos públicos determinou medidas emergenciais para evitar contaminações nas repartições. Trabalho de casa, abono e rodízio de funcionários são algumas das medidas.

Órgãos dos Três Poderes mudaram o esquema de funcionamento. Nesta sexta-feira (13/03), o governo federal editou regras paras os 195 órgãos e autarquias que compõem o Executivo. O GDF também adotou normas temporárias.

Além disso, viagens e reuniões ficam suspensas por até 30 dias. Grupos de risco, como idosos, gestantes e servidores com doenças crônicas, têm regras especiais.

O Metrópoles preparou um guia para orientar os servidores públicos sobre o funcionamento dos órgãos durante a emergência de saúde pública por conta do coronavírus.

Veja as mudanças:

  • Ministérios e órgãos federais: servidor que não puder trabalhar de casa terá abono. Quem viajou para áreas de contaminação e tiver sintomas trabalhará de casa por 14 dias;
  • GDF: vai homologar atestado de servidores on-line;
  • ANTT: dispensou servidores idosos, doentes crônicos, gestantes e estagiários;
  • MPF: impôs rodízio no expediente e trabalho domiciliar;
  • Câmara dos Deputados: autorizou teletrabalho e dispensou servidores;
  • Senado: servidores que viajarem para locais onde está ocorrendo a transmissão ficarão afastados por 14 dias. Visitas estão suspensas;
  • STJ: atenderá advogados por telefone;
  • STF: expediente está normal, mas acesso ao plenário está restrito;
  • TCDF: adere a teletrabalho e restringe acesso público;
  • TJDFT: instituiu teletrabalho;
  • Câmara Legislativa: expediente está normal, mas galerias destinadas ao público ficarão fechadas;
  • TST: determinou teletrabalho a servidores que viajaram.

Últimas notícias