metropoles.com

Senado prevê votar PEC da Transição na próxima quarta-feira (7/12)

Texto da PEC da Transição está sendo negociado e precisa passar pela CCJ antes de ir ao plenário. Pacheco pautou a votação para a semana

atualizado

Compartilhar notícia

Rafaela Felicciano/Metrópoles
foto colorida de rodrigo pacheco
1 de 1 foto colorida de rodrigo pacheco - Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

A presidência do Senado divulgou, na noite de domingo (4/12), a pauta de votações da semana e incluiu a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Transição na agenda.

A previsão é votar o texto proposto pelo Governo de Transição do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na quarta-feira (7/12). A inclusão da PEC na pauta, porém, não é garantia de que o texto seja votado. O acordo ainda está sendo negociado e é preciso passar pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa.

O futuro governo propôs a PEC como forma de cumprir compromissos assumidos durante a campanha, como a manutenção do Auxílio Brasil (que voltará a ser chamado de Bolsa Família) em R$ 600 mensais e um reajuste acima da inflação para o salário mínimo.

A articulação avançou ao longo da última semana, após dificuldades no início da tramitação. Os congressistas estão decidindo se vão dar ao governo Lula quatro anos de licença para pagar o Bolsa Família ou se vão reduzir o prazo. Decidirão, ainda, o valor dessa licença para gastos sociais. A transição pediu R$ 175 bilhões por ano, mas o Congresso trabalha com um montante na casa dos R$ 120 bilhões a R$ 150 bilhões.

O petista afirmou, na última sexta-feira (2/12), que a PEC da Transição trata das “necessidades do povo” e que, por isso, o texto não deve ser desidratado. Em entrevista coletiva concedida a jornalistas, Lula foi questionado sobre a possibilidade de submeter ao Congresso Nacional um subsídio menor do que o montante de R$ 175 bilhões previamente proposto por sua equipe. Ele respondeu que isso está em negociação, mas que o valor apresentado é o necessário. “Não tem valor mínimo. Se eu agora colocar limite para menos, é o menos que vai valer”, ponderou.

“Espero sensibilidade do Congresso. Na PEC da Transição, não há espaço para liberar emenda. É importante que as emendas estejam dentro da necessidade de programação do governo e que sejam liberadas pela programação do governo. Não pode continuar da forma como está. A PEC não trata de emenda, trata das necessidades do povo”, concluiu Lula.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações