Secretários e assessor de Hélder Barbalho são presos por desvios na Saúde

Operação policiais federais e agentes da CGU no Pará e em São Paulo. Governador paraense é investigado

atualizado 29/09/2020 8:47

Divulgação/PF

O governado do Pará, Helder Barbalho (MDB), está entre os investigados na Operação SOS, realizada em conjunto na manhã desta terça-feira (29/9) pela Controladoria-Geral da União, Polícia Civil de São Paulo e Polícia Federal. Não há mandados específicos contra o governador paraense, mas seu gabinete está sendo vasculhado pelos agentes.

No Pará, os agentes cumprem 12 mandados de prisão temporária e 41 mandados de busca e apreensão expedidos pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). A PF pediu para fazer uma busca e apreensão tendo o governador como alvo, mas a Justiça negou. Dois secretários e o assessor e gabinete de Barbalho,  Leonardo Maia Nascimento, foram detidos.

Os mandados são cumpridos, no Pará, em Belém, Capanema, Salinópolis, Peixe-Boi e Benevides (PA), Goiânia (GO), Araçatuba e outras cidades de São Paulo.

No estado paulista, são cumpridos, ao todo, 260 mandados de busca e apreensão e 57 de prisão temporária na Secretaria Estadual de Saúde, Câmara Municipal de São Paulo e em cidades do interior. Em São Paulo, a operação se chama Raio X.

0

R$ 1,2 bilhão em contratos

Segundo a PF, a Operação SOS no Pará investiga 12 contratos firmados entre o poder público e Organizações Sociais entre agosto de 2019 e maio de 2020, totalizando o valor de R$ 1.284.234.651,90.

São investigados crimes como fraude em licitações, falsidade ideológica, peculato, corrupção passiva, corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Últimas notícias