Coronavírus: socialite vira vilã após infectar até 44 uruguaios

Carmela Hontou chegou da Europa com sintomas e foi a um casamento para 500 convidados; 80% dos casos no país podem estar ligados a ela

atualizado 19/03/2020 19:19

Carmela HontouReprodução

Personalidade no mundo da moda uruguaio, a designer Carmela Hontou, de 57 anos, aparecia bem nas colunas sociais do país, mas hoje em dia é agredida por seus conterrâneos nas redes sociais, acusada de ser o vetor de 80% dos 55 casos de coronavírus registrados por lá até agora.

Carmela esteve na Europa duas vezes em 2020, em viagens para Itália e Espanha, os dois países mais afetados pela pandemia de coronavírus no continente. Na última, teve febre e outros sintomas e ainda não se sentia bem quando chegou a Montevidéu, em 7 de março.

Quando ela chegou, o Uruguai ainda não havia registrado nenhum caso de infecção por Covid-19.

“Perguntei se havia alguma medida no aeroporto porque chegava da Europa e me disseram que não. Nesse mesmo dia, almocei com minha mãe de 84 anos e de noite fui ao casamento”, disse ela ao jornal uruguaio El Observador.

A socialite justificou a atitude dizendo que o noivo é “como um filho para ela”.

Quase uma semana depois, no último dia 13, Carmela teve o diagnóstico confirmado. Desde então, os 500 convidados e as pessoas com quem teve contato estão em quarentena. Ainda assim, já há 44 contágios investigados nesse grupo.

Carmela tem sido vítima de acusações. “Dizem que fui a um casamento espalhar um vírus, mas não foi assim. Dizem que sou uma terrorista, que quero matar todo mundo”, lamentou, na última entrevista que deu antes de se isolar.

O isolamento, porém, não foi total, e Carmela também foi denunciada à polícia por vizinhos por estar recebendo visitas em sua casa, num bairro nobre da capital uruguaia.

Veja algumas das postagens sobre a “inimiga pública número 1” do Uruguai:

 

Últimas notícias